Mundo

Homem cego vê pela primeira vez após 66 anos

Depois de 66 anos de cegueira, um homem canadiano recuperou a visão graças... a um acidente (e à perícia de uma equipa de médicos). Uma queda nas escadas que resultou na fratura de vários ossos da cara forçou-o a uma cirurgia que mudou a sua vida.
Versão para impressão
Depois de 66 anos de cegueira, um homem canadiano recuperou a visão graças… a um acidente (e à perícia de uma equipa de médicos). Uma queda nas escadas que resultou na fratura de vários ossos da cara forçou-o a uma cirurgia que acabaria por mudar a sua vida: aproveitando a ocasião, os especialistas do Montreal General Hospital decidiram também “reparar-lhe” os olhos.
 
Pierre-Paul Thomas nasceu em 1940, numa altura em que os cuidados médicos eram escassos, com vários problemas oculares, nomeadamente nistagmo congénito (uma patologia em que os olhos se movem involuntariamente de um lado para o outro), nervos óticos danificados e cataratas, que o impossibilitaram desde sempre de ver com clareza, transformando o seu mundo numa série de sombras e figuras distorcidas.
 
De acordo com o jornal canadiano The Gazette, tudo haveria, porém, de mudar, há dois anos, quando o homem caiu das escadas no seu apartamento e sofreu diversas fraturas nos ossos do rosto, incluindo junto aos olhos.
 
Thomas foi transportado para o hospital e uma equipa de cirurgiões reparou os danos com sucesso mas, só vários meses depois, durante uma consulta com uma cirurgiã plástica, Lucie Lessard, surgiu a oportunidade de ir mais além. “Já agora, podíamos aproveitar e reparar a sua visão”, propos a médica, para estupefação do canadiano.
 
A proposta foi, naturalmente, aceite, e Paul-Pierre Thomas foi submetido a duas cirurgias para remoção das cataratas. Segundo aquele diário de Montreal, os procedimentos foram um sucesso e o homem passou a poder ver com clareza e conheceu, pela primeira vez, as cores, os flocos de neve e as flores.

“Devolveram-me a minha vida”, diz Thomas
 

“É como se fosse novamente uma criança”, confidenciou em entrevista ao The Gazette, admitindo que, apesar da alegria, está ainda a adaptar-se à nova visão e todos os dias tem de ultrapassar vários desafios, para a maioria de nós tão simples como pagar a conta no supermercado.
 
Em declarações ao The Gazette, Dev Cheema, diretor de oftalmologia do Montreal General Hospital, explicou o procedimento. “Tudo o que precisámos de fazer foi remover as cataratas e ele pôde ver”, contou, revelando que, embora este problema seja mais comum entre pessoas de idade avançada, pode desenvolver-se desde a nascença.
 
“É muito bom que tenhamos podido fazer algo assim. Há sempre uma história positiva para contar no que toca à oftalmologia”, acrescenta o médico, alertando, no entanto, que Paul-Pierre Thomas nunca deverá ser capaz de ver a 100% porque é impossível tratar o nistagmo ou reparar os nervos óticos danificados.
 
Em qualquer dos casos, o canadiano não poderia estar mais satisfeito. “Estou feliz. Sou um homem feliz. Agradeçam por mim ao hospital. Eles devolveram-me a minha vida”, disse aos jornalistas.

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close