Saúde

Hipertensão: Vacina pode substituir comprimidos diários

Uma vacina administrada sem agulha poderá, no futuro, vir a ser suficiente para baixar a tensão arterial durante, pelo menos, seis meses. A novidade, acreditam os cientistas, tem potencial para pôr fim à obrigatoriedade da toma diária de comprimidos.
Versão para impressão
Uma vacina administrada sem agulha poderá, no futuro, vir a ser suficiente para baixar a tensão arterial durante, pelo menos, seis meses. A novidade, acreditam os cientistas, tem potencial para pôr fim à obrigatoriedade da toma diária de comprimidos que faz parte da rotina dos pacientes com hipertensão.
 
Um estudo realizado com ratinhos por investigadores da Universidade de Osaka, no Japão, e publicado, recentemente, na revista científica Hypertension, revela que uma injeção de ADN pode vir a transformar-se numa alternativa para o tratamento da doença, que aumenta o risco de problemas como acidentes vasculares cerebrais ou enfartes do miocárdio. 
 
A vacina de ADN agora 'desenhada' pelos cientistas tem como alvo a angiotensina II, uma hormona que aumenta a tensão arterial, estreitando os vasos sanguíneos e obrigando o coração a esforços adicionais, explica um comunicado divulgado pela instituição de ensino universitário japonesa.
 
Segundo os especialistas, a solução, que não levantou problemas ao nível de outros órgãos como o fígado ou os rins, “funciona de uma forma semelhante aos inibidores comuns da angiotensina [os chamados 'inibidores da ECA'], que ajudam os vasos sanguíneos a relaxar e a dilatar-se, baixando a tensão”.
 
A terapia foi testada em ratinhos com hipertensão, que receberam a vacina – 'injetada' no organismo sem a necessidade de agulhas – por três vezes com intervalos de duas semanas.

Além de baixar a pressão arterial dos modelos animais durante um período superior a seis meses, o tratamento reduziu, também, os danos provocados pela hipertensão nos tecidos do coração e dos vasos sanguíneos.
 

“Uma possível vacina para controlar a hipertensão constitui-se como um tratamento inovador que pode vir a ser muito eficaz”, afirma Hironori Nakagami, professor da Universidade de Osaka e coautor do estudo nipónico. 
 
De acordo com Nakagami, esta alternativa poderá ser particularmente importante nos países em desenvolvimento de África e da Ásia do Sul – onde os fármacos contra a hipertensão são muito caros – conseguindo para proporcionar “um tratamento mais barato e eficiente” que os convencionais. 
 
“Uma investigação mais aprofundada desta vacina de ADN, incluindo estudos destinados a aumentar a longevidade do efeito de redução da tensão arterial, pode, eventualmente, vir a proporcionar uma nova opção terapêutica para tratar os pacientes hipertensos”, finaliza o investigador.
 

Clique AQUI para aceder ao estudo (em inglês).

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close