Sociedade

Guitarra portuguesa aguça curiosidade na Venezuela

Em Caracas, na Venezuela, dois músicos portugueses aguçaram a curiosidade de centenas de espetadores com a guitarra portuguesa. No fim do recital, protagonizado pelo solista Ricardo Dias e por Luís Ferreira, foram várias as perguntas que se espalhara
Versão para impressão
Em Caracas, na Venezuela, dois músicos portugueses aguçaram a curiosidade de centenas de espetadores com a guitarra portuguesa. No fim do recital, protagonizado pelo solista Ricardo Dias e por Luís Ferreira, foram várias as perguntas que se espalharam pelas redes sociais sobre o instrumento luso. 
 
Inserido no âmbito das comemorações do Dia da Europa, organizadas pela delegação da União Europeia, em parceria com a Embaixada de Portugal na Venezuela, o recital contou com uma “recetividade absolutamente excecional”.
 
“Nota-se que as pessoas gostaram”, avança Ricardo Dias, que apresentou a guitarra portuguesa ao público venezuelano. “Temos que fazer um esforço para tentar divulgar este instrumento em palcos que não sejam os nossos palcos habituais, dando-o a conhecer como instrumento próprio que temos em Portugal”. 
 
Para o músico português, “a guitarra portuguesa não é muito divulgada como instrumento solista”, sendo “muito raro aparecer em locais que não seja em Portugal”. Agora, o convite enderaçado aos músicos portugueses visava a primeira participação portuguesa no Festival Europeu de Solistas. 
 
“É a primeira vez que Portugal participa, pelo que decidimos desde logo participar com algo diferente”, conta Gonçalo Capitão, adido cultural da Embaixada de Portugal, em Caracas, à Lusa. “Por norma, o que se traz aos espetáculos são cantores líricos, pianistas ou violinistas. Mas nós quisemos participar com uma coisa claramente nossa”. 
 
Por isso, a escolha recaiu sobre um recital instrumental de Coimbra, onde Ricardo Dias é responsável pela guitarra portuguesa e Luís Ferreira pela viola acústica. “Têm tido uma receção muito entusiástica”, conta o responsável. “Já atuaram no Centro Cultural de Chacao e foram a duas estações de rádio, que, desde logo, começaram a receber mensagens a perguntar que tipo de instrumento era aquele”.
 
Além disso, “foram também à Casa Amarilla, atual sede do Ministério dos Negócios Estrangeiros, onde deram um concerto, tendo sido saudados de uma maneira especial e convidados a regressar”.
 
A visita dos músicos à Venezuela começou no dia 7 de Maio e prolonga-se até ao próximo dia 16, sendo que o programa prevê a realização de três concertos em clubes portugueses das cidades de Caracas, Valência e Puerto Ordáz. 
 
Segundo Gonçalo Capitão, para os próximos concertos, em clubes lusos, os músicos “aceitaram o desafio não só de ir pelas comunidades, mas tocar fado de Lisboa, para dar uma oportunidade aos cantores lusodescendentes de participar e de mostrar o seu talento”.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close