Mundo

Grécia: Produtos fora do prazo a preços mais baixos

Os produtos que já passaram o prazo de validade, à exceção da carne e dos laticínios, vão começar a ser vendidos, na Grécia, a preços mais baixos, de acordo com uma notícia avançada, esta terça-feira, pelo jornal espanhol Expansión.
Versão para impressão
Os produtos que já passaram o prazo de validade, à exceção da carne e dos laticínios, vão começar a ser vendidos, na Grécia, a preços mais baixos,  de acordo com uma notícia avançada, esta terça-feira, pelo jornal espanhol Expansión.
 
Esta não é uma lei completamente nova, visto que ressuscita uma medida que, no passado, permitia aos supermercados e lojas de alimentação venderem alimentos fora do prazo de validade, uma vez que os produtos não perdem a qualidade imediatamente após a passagem dessa data. 
 
A nova medida fixa um limite máximo de datas até ao qual os produtos podem ser comercializados após o fim do prazo. Os alimentos onde está discriminado o dia e o mês estarão à venda por mais uma semana a preços mais baixos, sendo que o valor da diminuição dos preços não foi definido pelo executivo, ficando ao critério de cada vendedor.
 
Já os produtos que apresentam apenas o mês e o ano poderão ser vendidos por mais um mês, ao passo que aqueles que só têm o ano no prazo de validade, veem o seu ciclo de vida estendido a mais um trimestre.
 
Sindicatos com reservas em relação à lei

A lei proposta pelo governo de Antonis Samaras está a colher algumas críticas junto dos sindicatos e associações de consumidores gregos que acusam o governo de não querer “tomar iniciativas para controlarem os preços”.
 
Yannis Mijas, presidente do Organismo Nacional de Alimentos, teme que a lei conduza a um dilema moral da parte dos comerciantes, dividindo o setor entre aqueles que conseguem adquirir produtos dentro do prazo e os outros, que por razões económicas, terão de usar os alimentos “de qualidade duvidosa”.
 
Apesar das críticas, esta medida poderá ajudar muitas famílias gregas a comprar produtos mais baratos, evitando, deste modo, a aquisição mais cara de alimentos e produtos básicos que, devido à crise económica, sofreram um aumento exponencial.
 
[Notícia sugerida por Raquel Baêta]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close