Ambiente

Grande concentração de baleias na Antártida

NULL
Versão para impressão
A bordo do navio "Lawrence M. Gould", a equipa de investigadores registou, na Baía Wilhelmina, a maior densidade de baleias por quilómetro quadrado (5,1) e mediu a biomassa de krill – criaturas semelhantes a camarões que são a base alimentar daqueles animais – em cerca de dois milhões de toneladas.

"Uma concentração de baleias e de krill incrivelmente densa como esta nunca foi observada nesta zona e nesta época do ano", comentou Douglas P. Nowacek, da Universidade de Duke, citado num comunicado da instituição.

Segundo o especialista, estes números resultam dos efeitos das alterações climáticas na região – outrora, o gelo cobria grande parte da superfície do mar junto àquela baía, protegendo o krill e forçando as baleias-de-bossa a migrar em busca de alimento; atualmente, cobre menos de 10%.

"A curto prazo, a falta de gelo no mar é uma boa notícia para as baleias, permitindo-lhes autênticos festins, à medida que o krill se desloca verticalmente para a superfície da baía todas as noites", explicou Ari S. Friedlaender, um dos dois autores principais do estudo e investigador da Universidade de Duke.

"Mas estas são más notícias a longo prazo para ambas as espécies e para tudo o resto no oceano Antárctico que depende do krill", alertou.

O krill é a principal base de alimentação de grande parte das espécies animais marinhas. É o caso dos pinguins, focas e grande parte das aves.

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close