Negócios e Empreendorismo

Governo assinou 10 contratos para exploração mineira

NULL
Versão para impressão
O Governo assinou esta quarta-feira contratos com sete empresas para a exploração de minérios metálicos em Portugal, no valor de 8,6 milhões de euros. A concessão de ouro no Alentejo foi um dos maiores investimentos, que rondou os três milhões de euros.

A explorar o ouro existente nos concelhos de Montemor-o-Novo e Évora, no Alentejo, vai estar a empresa Iberian Resources/Colt Resources e a Eurocolt Resources. As duas empresas venceram a concessão experimental para ouro, prata, cobre, chumbo, zinco e minerais associados à região.

A Eurocolt Resources vai ainda explorar as regiões de Viana do Alentejo, Vendas Novas e Alcácer do Sal, e antimónio, arsénio, cobre, lítio, entre outros minerais, em várias regiões como Tabuaço, São João da Pesqueira, Moimenta da Beira Vila Nova de Foz Côa.

Ao todo foram assinados dez contratos entre o Governo português e sete empresas interessadas na exploração de minérios metálicos em Portugal. No caso do ouro do Alentejo a concessão prevê exploração nos próximos três anos e um investimento de três milhões, sendo os restantes 5,6 milhões de euros destinados para os projetos de prospeção e pesquisa.

O ministro da economia, Álvaro Santos Pereira, esteve presente na reunião e destacou a importância do setor mineiro para a desenvolvimento económico e das regiões, conta a Lusa. O ministro sublinhou que a aposta nestes “recursos muito valiosos” trará “novas e melhores condições de vida para as populações”.

Álvaro Santos Pereira garantiu que vão ser sempre requeridas as melhores condições de contrapartidas para o país e que estes investimentos “são muito importantes para o país”, escreve a agência. De facto, a empresa que vai explorar o ouro, a Colt, vai pagar ao Estado 'royalties' de 4 por cento a partir do terceiro ano do projeto.

O setor mineiro “é um dos motores da reforma económica em que estamos apostados”, permite a “criação de postos de trabalho, aumento da receita fiscal”, têm impacto nas exportações e reduzem “a dependência de matérias-primas que vêm de fora”, enumerou o ministro.

Exploração vai ser feita de norte a sul do país

Também assinaou contrato a Companhia Portuguesa do Ferro (CPF) que vai fazer a prospeção e pesquisa de e minerais associados em Torre do Moncorvo e Freixo de Estada à Cint e a Maepa, que irá pesquisar ouro, prata, cobre, chumbo e zinco nos concelhos algarvios de Aljezur, Monchique e Portimão. 

A Minaport — Minas de Portuga, assinou contrato para as regiões de Oleiros, Fundão, Castelo Branco, Vila Velha de Rodão e Proença-a-Nova (prospeção e pesquisa de cobre, volfrâmio, antimónio, ouro e prata), e outro para ser desenvolvido em Barrancos e Moura (cobre, zinco, chumbo, ouro e prata.

A PANNN irá desenvolver a sua pesquisa e prospeção na Covilhã e Fundão (lítio, volfrâmio, rubídio, cobre, ouro, prata, entre outros), tendo assinado dois contratos — um para a área do Fundão e outro para Argemela; a Renoeste, que assinou uma adenda contratual, irá explorar na sal-gema no concelho do Pombal, na área do Carriço.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close