Mundo

Gata salvou dona ao alertá-la para cancro da mama

Uma gata salvou a vida da dona, que não sabia que sofria de cancro na mama, ao chamar a sua atenção com comportamentos fora do normal que a fizeram ir ao médico.
Versão para impressão
Uma gata salvou a vida da dona, que não sabia que sofria de cancro na mama, ao chamar a sua atenção com comportamentos fora do normal que a fizeram ir ao médico, de acordo com o jornal Daily Mail. Wendy Humphreys, de 52 anos, conta que Fidge, a gata preta e branca adotada pela família em 2011, quando tinha apenas oito semanas de idade, se deitava sobre o seu peito todas as noites e saltava sobre si parecendo querer dizer-lhe que algo não estava bem.
 
“Ela fê-lo todas as noites durante duas semanas. Subia para cima de mim e sentava-se no meu peito, no sítio onde foi detetado o tumor. Decidi ir ao médico porque tinha dores e pensei que estivesse magoada, mas nunca imaginei que fosse algo como um cancro”, contou Wendy ao diário inglês.
 
Depois de realizados os exames necessários, o especialista disse à britânica que tinha um tumor do tamanho de uma ervilha no seio direito e que, se não fosse diagnosticado a tempo, poderia ter sido fatal. “A Fidge salvou a minha vida, sem dúvida. O médico comunicou-me que, caso não começasse a ser tratada, teria morrido devido às hormonas na menopausa”, revelou, espantada com o talento da felina.
 
“Não conseguia acreditar até porque não imaginava que os gatos fossem capazes de sentir estas coisas. Pensei que fossem apenas os cães a fazê-lo”, acrescentou a dona, mãe de duas crianças. Nesta fase difícil, Fidge continua a ser uma companhia constante na vida de Wendy.

“Nunca me deixa sozinha. Todas as manhãs salta para a cama para se assegurar que estou bem. O meu marido também sabe que ela me salvou e temos tentado dar-lhe muitos mimos, comida, brinquedos e tudo o que podemos”.

 
Atualmente, Wendy está a fazer quimioterapia e prepara-se para uma mastectomia, mas está determinada a vencer a doença. “É difícil, mas vou, definitivamente, vencer o cancro. Tenho de fazê-lo, até porque a minha filha tem problemas de aprendizagem e tenho de estar aqui para ela”, concluiu, com otimismo.

[Notícia sugerida por Ana Guerreiro Pereira]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close