Sociedade

Gaia cede habitação a vítimas de violência doméstica

A Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia vai ceder, a título gratuito e com todas as despesas de manutenção incluídas, três habitações à UMAR - União de Mulheres Alternativa e Resposta para alojar, de forma transitória, vítimas de violência doméstica.
Versão para impressão
A Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia vai ceder, a título gratuito e com todas as despesas de manutenção incluídas, três habitações à UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta para que esta entidade possa alojar, de forma transitória, vítimas de violência doméstica.
 
O protocolo para cedência destas habitações, por intermédio da Gaiurb, empresa municipal que gere as áreas de Urbanismo e Habitação, foi assinado no passado dia 7 de Março e tem como objetivo “dar resposta à necessidade de proteção e acolhimento das mulheres que sofrem de um dos maiores flagelos da nossa sociedade no que respeita à violação dos direitos humanos – a violência doméstica”. 
 
Em comunicado enviado ao Boas Notícias, a autarquia de Gaia explica que as habitações “não pretendem ser casas-abrigo, mas sim casas de transição, sendo o espaço ideal para a última fase do processo, antes de a vítima retomar a sua dinâmica de vida em sociedade”.
 
No entender do município, “o acesso à habitação protegida é parte integrante de um 'projeto de vida' baseado numa intervenção técnica, devidamente delineado e executado e composto por várias áreas de abrangência, sendo esta determinante no sucesso deste processo”. 
 
“Este momento reflete a vontade de cumprir a palavra e de materializar um compromisso, ainda que seja apenas o ponto de partida para um projeto mais abrangente que pretendemos implementar no concelho”, afirma Eduardo Vítor Rodrigues, presidente da Câmara Municipal de Gaia.
 
Para o autarca, “Vila Nova de Gaia precisa de diferentes respostas para problemas multidimensionais”, razão pela qual o executivo pretende criar, “numa fase posterior e com a ajuda do Quadro Comunitário de Apoio”, uma “rede de apartamentos de transição, bem como uma casa-abrigo para dar suporte às vítimas de violência doméstica”. 
 
A UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta, que terá a seu cargo o realojamento destas mulheres, tem vindo a promover a criação de políticas de combate à violência doméstica – numa lógica de proximidade – envolvendo, cada vez mais, os municípios, os parceiros sociais e as organizações da sociedade civil.
 
Atualmente, todas as vítimas de violência doméstica de Vila Nova de Gaia – após a primeira sinalização feita por entidades da região – são encaminhadas para a UMAR, para que tenham à disposição o melhor e mais especializado atendimento relacionado com esta problemática.
 
Para a presidente da associação, Maria José Magalhães, “este protocolo, pioneiro no país, revela a sensibilidade e a abertura do executivo da Câmara Municipal de Gaia e surge como uma resposta humana, económica e socialmente adequada, que irá permitir a autonomia funcional destas mulheres”. 

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close