Negócios e Empreendorismo

Fundos de 220ME para empresas em dificuldades

As empresas em dificuldades vão ter hipótese de aceder a fundos de revitalização, no valor de 220 milhões de euros, e poderão resolver conflitos com credores por via extra-judicial.
Versão para impressão
As empresas em dificuldades vão ter hipótese de aceder a fundos de revitalização no valor de 220 milhões de euros e poderão resolver conflitos com credores por via extra-judicial. O anúncio foi feito este domingo pelo secretário de Estado da Economia e Desenvolvimento Regional, António Almeida Henriques.
 
Este processo especial de revitalização surge no âmbito do programa Revitalizar, que entra em vigor esta segunda-feira, e destina-se a devedores que se encontrem, comprovadamente, em situação económica difícil ou em situação de insolvência iminente mas ainda suscetível de recuperação por meio da negociação.
 
“Até agora, a única alternativa que as empresas tinham era ir para o processo de insolvência e, invariavelmente, para a liquidação. Agora têm a possibilidade de se apresentar voluntariamente a um processo de revitalização, numa lógica de recuperar a empresa, mantendo os postos de trabalho e a capacidade produtiva”, explicou o secretário de Estado à agência Lusa. 
 
Segundo Almeida Henriques, com o novo regime, as empresas terão à disposição três possibilidades. Para começar, poderão declarar insolvência, “quando não há mais nada a fazer”, ou apresentar-se voluntariamente para revitalização.
 
Além disso, terão também a hipótese de optar pelo sistema extra-judicial, “que permitirá a uma empresa que tenha um assunto pontual – uma dívida ao fisco ou à segurança social – recorrer a um instrumento extra-judicial para fazer uma negociação pontual que lhe possibilite manter a sua atividade”.
 
Uma vez obtido o acordo com os credores, a empresa terá de reestruturar os seus créditos, mas pode também recorrer a fundos de revitalização, através dos quais pode conseguir “alguma injeção de liquidez”, esclareceu.
 
“Além dos 110 milhões de euros [provenientes dos fundos comunitários] que vão ser afetos a estes fundos de revitalização, haverá mais 110 milhões que as entidades regionais terão de alocar e, paralelamente, haverá também a parte da reestruturação de créditos”, revelou Almeida Rodrigues, acrescentando que a expetativa é que estes fundos possam induzir, no total, “cerca de mil milhões de euros”. 
 
O secretário de Estado informou ainda que os concursos para escolher as entidades que serão responsáveis pela gestão dos cinco fundos regionais vão ser lançados em Junho e que o diploma vai ser aprovado no próximo conselho de ministros.

[Notícia sugerida por Vítor Fernandes]
 

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Mais recentes

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close