Ambiente

Fonte da Praça do Império amiga do ambiente

A fonte luminosa da Praça do Império, em Lisboa, voltou ontem a funcionar ao som de música clássica e com efeitos de luz coloridos, mas, depois de vários anos parada, é agora automática e ambientalmente sustentável.
Versão para impressão
A fonte luminosa da Praça do Império, em frente ao Mosteiro dos Jerónimos, Lisboa, voltou ontem a funcionar ao som de música clássica e com efeitos de luz coloridos, mas, depois de vários anos parada, é agora automática e ambientalmente sustentável.

Com uma “poupança de 40 por cento da energia consumida” e a água utilizada “integralmente reciclada”, as obras de requalificação da fonte promovidas pela Câmara de Lisboa, no valor de cem mil euros, permitiram ainda o seu funcionamento completamente automático.

“Até agora era um trabalho muito duro, de dois homens” que manipulavam no subsolo o engenho que provocava a mudança de cores e efeitos da água da fonte, explicou aos jornalistas o autarca de Lisboa, António Costa.

As obras de que a fonte foi alvo em 2004 mantiveram o carácter manual do seu funcionamento.

A selecção musical será “variada”, sempre da música clássica, combinando som e luz, em coreografias aquáticas que produzem “120 efeitos diferentes”.

O jardim da Praça do Império foi construído para a exposição do Mundo Português, em 1940, a partir do projecto de Conttineli Telmo e trabalhos de jardinagem de Gomes Amorim.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close