Negócios e Empreendorismo

FMM Dia 4: Casa cheia e sons eletrizantes

Impossível parar de dançar perante os sons eletrizantes que Cheik Tidiane Seck e Mamani Keita e os seus músicos virtuosos trouxeram do Mali. Energia que se prolongou quando os congoleses Staff Benda Bilili ocuparam o palco. Final de festa com as bati
Versão para impressão
Impossível parar de dançar perante os sons eletrizantes que Cheik Tidiane Seck e Mamani Keita e os seus músicos virtuosos trouxeram do Mali. Energia que se prolongou quando os congoleses Staff Benda Bilili ocuparam o palco. Final de festa com as batidas reggae de U-Roy e o kuduro com influências lusas dos Batida. Apesar dos cortes orçamentais, o Festival Músicas do Mundo está vivo e recomenda-se.

Os concertos da noite, no castelo, abriram com a espanhola Lole Montoya que trouxe consigo sons flamencos. Apostada em transformar o flamenco numa música de paz e amor, Montoya consegue canções harmoniosas, sim. Mas falta-se a fúria e o desespero dos ciganos que se ouvem nas casas flamecas de Madrid e Barcelona.

Perante um público ainda arrefecido, Cheick Tidiani Seck e a sua convidada Mamani Keita levaram o recinto [nesta altura já completamente cheio com cerca de 9 mil espetadores] do castelo de Sines numa viagem vertiginosa por sons originais do Mali, na sua tradição madinga, mas também através do rock puro e duro, do soul e do jazz. Com pontos altos nos solos eletrizantes do guitarrista Hervé Sambé e do baixista Guy Nsangué que provocaram momentos de delírio entre a multidão.





A euforia continuou, depois, pela mão dos Staff Benda Bilili [na foto]. Formados a partir de um grupo de músicos de rua paraplégicos do Congo, os Bilili vieram mostrar que “as aparências por vezes iludem” [tradução livre do nome da banda para português].

Pelo palco passou o seu multi premiado álbum de estreia “Três, Três Fort”. Música indomável que protesta contra a apatia e a discriminação. Mesmo sem perceber as letras, o público acompanhou, incansável, sempre que pôde, com a voz ou o corpo ao ritmo desta música onde a tradição se funde com o presente e o futuro.

Raggae, funk e kuduro a fechar as cortinas

Na praia, seguindo a aposta do FMM no reggae que o ano passado trouxe a Sines Lee Scratch Perry, foi a vez do veterano U-Roy. Reggae da Jamaica, pausado e pulsado, que além de temas de álbuns como “Dread in Babylon” também passou pelo mítico Bob Marley, com clássicos como “Soul Rebel”.

E foi a louca euforia sonora e visual dos luso-angolanos Batida que encerrou em grande – apesar de algumas falhas de som e da insistência de alguns membros da plateia em saltar para o palco – a 12º edição do festival. O kuduro, o funk e a electrónica reinventados pelas mãos do Dj Mpula e a sua equipa, acompanhados em palco pela dança hipnotizante de Daniela Sanhá e Bernardino Tavares, cumpriram o prometido: “esta festa é para arrasar”!

O FMM veio para ficar

Mas a festa completou-se, mais uma vez, através de várias iniciativas gratuitas, com os ciclos de cinema do Centro de Artes, encontros de escritores, ateliêrs e teatro para crianças, e a nova feira do livro e do disco na capela da Misericórdia.

Apesar dos cortes orçamentais que levaram à redução dos dias de festival, com o fim dos concertos de Porto Côvo, o FMM confirma-se, nesta 12ª edição, como um festival que está para ficar. Sábado, a noite mais concorrida, contou com cerca de 9 mil espectadores nos concertos pagos do castelo e 15 mil nos concertos gratuitos da praia, segundo números avançados pela organização.

Comentários

comentários

Etiquetas

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close