Espetáculos e Exposições

FMM Dia 1: Sons lusófonos iluminam a festa

No arranque do festival de Músicas do Mundo (FMM), esta quarta-feira, foram os sons lusófonos dos Cacique'97 e da brasileira Céu que aqueceram a noite. Bill Murray, mesmo com o convidado especial Daniel Melingo, arrefeceu o reportório de Nat King Col
Versão para impressão
[Foto © FMM/Sofia Costa]

No arranque do Festival de Músicas do Mundo (FMM), esta quarta-feira, foram os sons lusófonos dos Cacique’97 e da brasileira Céu que aqueceram a noite. Bill Murray, mesmo com o convidado especial Daniel Melingo, arrefeceu o reportório de Nat King Cole, e as Rubias del Norte ficaram aquém das expectativas. Para hoje, quinta-feira, o grande destaque vai para o Grupo Fantasma e ainda 34 Puñaladas, Yasmin Levy, N´Diale e The Mekons.

Ninguém fica indiferente ao som dos Cacique’97. Prova disso foi o público que, na Avenida Vasco da Gama, junto à praia de Sines e ao pôr do sol, não parou por um segundo de dançar, pular ou, no caso dos mais discretos, abanar o pezinho e a cabeça aos sons do afro-beat luso.

Percorrendo o álbum homónimo que foi lançado no verão de 2009, os músicos moçambicanos e portugueses dos Cacique’97 interpretaram temas já famosos como o single de estreia “Eu quero tudo”, o elogio a Bruce Lee com “Dragão” e “Chapa 97”. A voz do público acompanhou muitas das letras, o que prova a popularidade crescente da banda, cinco anos após a sua formação em 2005.

O som dos Cacique’97, com a energia contagiante do vocalista e guitarrista Milton Gulli e a mestria dos outros nove músicos em palco [oriundos de bandas como os Cool Hipnoise, Philamornic Weed e The Most Wanted] eleva-se à altura das mais internacionais bandas do movimento afro-beat.

Image and video hosting by TinyPic

Murray e Las Rubias del Norte [quase] arrefecem a festa

O mítico Nat King Cole mereceu destaque nesta edição do FMM com o projeto Nat King Cole en Espagnol, liderado pelo músico David Murray. Mas desta vez, o entusiasmo registado pouco tempo antes pelo público esmoreceu. Acompanhado por 10 músicos e pela Sinfonieta de Sines [orquestra de cordas], Murray prolongou de forma excessiva os temas clássicos de Nat King Cole. Os instrumentos, mais de 20 em palco, sentiam a falta de uma voz quente como a de Cole para os acompanhar.

A esperança estava no convidado especial de Murray, o argentino Daniel Melingo, encarregue de interpretar três dos temas de Nat King Cole. Famoso pela sua voz envolvente e pela atitude rebelde, Melingo surgiu no palco com pouco entusiasmo, e despachou os clássicos “Piel Canela”, “A Media Luz” e “Quizas” com uma voz [demasiado] rouca que chegou a desafinar.

A noite continuou morna com as Rubias del Norte. Aquele que era um dos concertos mais esperados no castelo ficou aquém das expectativas. Impecáveis e eficientes, mas pouco inspiradoras, as norte americanas Allyssa Lamb e Emily Hurst trouxeram cha cha cha’s, boleros e algum romantismo francês. No entanto, a melancolia fria do tema final, “Porque te Vas”, aguçou-nos a curiosidade. Como serão estas Rubias misteriosas num concerto de sala fechada e intimista?

Céu em grande para terminar

Embora pouco entusiasmado com as duas atuações anteriores, o público do FMM persistia no recinto, embalado pelo cenário do castelo e pela noite morna que se fez sentir, ao contrário do frio noturno habitual neste festival.

Aquela que é considerada uma das vozes brasileiras mais promissoras do momento, abriu o concerto com “Espaçonave”. A letra avisa: “Eu quero te levar para uma viagem”. E num instante, Céu levou o público pela mão, atrás do reggae, samba lento e do afro-beat dos seus dois álbuns, o homónimo Céu [2008] e Vagarosa [2009].

Céu está bem acompanhada em palco. Toda a banda trabalha em uníssono num espectáculo de pura convergência. Destaque para o DJ Marco a apurar ainda mais o tom de cada música a partir dos pratos, lembrando, por vezes, ao fundo, alguns dos arranjos dos Portishead. A terminar, uma cover feminina e sensual de “Concrete Jungle”, tema incontornável do mítico Bob Marley, devolvendo ao público a magia das músicas do mundo.

Por volta das 3h30, a 12ª edição do FMM prosseguia de novo para a avenida Vasco da Gama, com o concerto dos peruanos Novalima, mas já sem a presença do Boas Notícias.

PM

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close