Ambiente

Floresta portuguesa em expansão

Quem o garante é o secretário de Estado das Florestas e Desenvolvimento Rural, Rui Barreiro, em entrevista ao jornal Expresso onde afirma ainda que acredita que num prazo de cinco anos a floresta portuguesa pode crescer entre 15 a 20%, passando a rep
Versão para impressão
Quem o garante é o secretário de Estado das Florestas e Desenvolvimento Rural, Rui Barreiro, em entrevista ao jornal Expresso onde afirma ainda que acredita que num prazo de cinco anos a floresta portuguesa pode crescer entre 15 a 20%, passando a representar 3,6% da riqueza nacional.

Rui Barreiro acredita que há ainda muito para explorar no sector florestal português que emprega hoje direta e indiretamente cerca de 260 mil pessoas e representa atualmente 3,1% do PIB.

Para contribuir para o crescimento da floresta não interessa apenas aumentar a capacidade de produzir e reflorestar. “O crescimento faz-se essencialmente acrescentando valor. E estamos a trabalhar nisso através do crescimento das zonas de intervenção florestal (ZIF), ou seja, com a gestão profissional dos espaços florestais. Mas também a trabalhar na área da certificação”, explicou o secretário de Estado.

Rui Barreiro defendeu ainda a necessidade de ver a floresta remunerada pelo serviço que presta à comunidade na retenção de dióxido de carbono e das águas, uma decisão política à escala europeia que espera ver concretizada.

 “Se por um lado, temos indústrias poluentes que pagam para poluir, temos, por outro lado, actividades que são consumidoras de carbono e que deviam ser pagas por isso. E tem de ser o mercado a remunerar esse serviço”.

Constragimentos no setor

Se houvesse uma atualização do cadastro rústico para determinar os donos de parcelas de território que o governo desconhece o dono, o valor da floresta, que está calculado em cerca de 3 mil milhões de euros, podia duplicar pois passava a ter mais áreas produtivas.

Há dois anos o governo reconheceu que a praga do nemátodo do pinheiro estava a alastrar por todo o país. Contudo Rui Barreiro garante que o problema não está a originar quebras nos preços da madeira sendo necessário apenas um tratamento térmico à madeira que obrigou a investimentos maiores por parte dos empresários, fazendo com que o custo de produção aumentasse.

Até 2015 está previsto um investimento de mais de 1000 milhões de euros do Proder para a floresta. São cerca de 500 milhões de euros por ano de comparticipação pública que há a acrescentar ainda o investimento privado para que a floresta possa continuar a ser um motor da economia portuguesa cada vez mais importante.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close