Cultura

Florbela Espanca “uma mulher à frente do seu tempo”

A vida de Florbela Espanca foi plena e trágica, inspirada e sofrida: digna de um verdadeiro filme. Vicente Alves do Ó apercebeu-se da sua complexidade e transportou a história da poetisa para o ecrã, numa obra homónima que estreia esta quinta-feira.
Versão para impressão
A vida de Florbela Espanca foi plena e trágica, inspirada e sofrida: digna de um verdadeiro filme. Vicente Alves do Ó apercebeu-se da sua complexidade e transportou a história da poetisa para o ecrã, numa obra homónima que estreia esta quinta-feira, Dia da Mulher, nos cinemas. Ao Boas Notícias, o realizador fala sobre os desafios de retratar “uma mulher à frente do seu tempo”. ANA AZEVEDO
 
Florbela faz parte daquele grupo de “pessoas incríveis e que merecem ser recordadas, ressuscitadas como exemplos de vida, talento e inspiração”. Um desafio, portanto. Mas porque acredita que “a vida só vale a pena quando nos colocamos em causa”, Vicente Alves do Ó não hesitou em agarrar a oportunidade de transformar a escritora em protagonista da sua nova longa-metragem.
 
Com uma longa experiência como guionista e com algumas, mais recentes, incursões pelo mundo da realização, o cineasta, de 40 anos, apostou os seus dois talentos no filme sobre a poetisa portuguesa – uma adaptação que nunca antes tinha sido experimentada. 
 
Escrever sobre Florbela traz desafios porque, explica, “as pessoas associam-na ao estigma da tristeza e da depressão”. Na sua investigação, Vicente Alves do Ó percebeu que esta personalidade acarretava “mais do que isso”: “era um mundo de contradições, exaltações, episódios, amores e desamores”. 
 

 
“A poesia vem da vida”
 
A vida de Florbela foi uma poesia que se estendeu para lá do papel e da caneta. Esteve casada três vezes, além de poetisa, foi jornalista e professora e foi também uma das primeiras mulheres a frequentar a faculdade de Direito da Universidade de Lisboa.

Foram estas vivências que Vicente Alves do Ó quis retratar. “A poesia vem da vida, não vem do ar”, argumenta, sublinhando que Florbela “sabia que não podia negar-se a fazer e ser aquilo que sentia ser o caminho dela” e que essa “coragem, essa determinação feminina, num Portugal atrasado e machista, é de louvar”.

 
Florbela foi dona de personalidade frágil e, ao mesmo tempo, vincada, cuja obra marcou a Literatura Portuguesa do séc. XX. Nascida em finais do século anterior, a poetisa terá posto fim à própria vida com apenas 36 anos, numa morte, dizem, causada por “uma tristeza sem fim”, depois de ter vivido de uma forma considerada invulgar e ousada para a época.
 
O realizador e argumentista português acrescenta que a sua vontade não foi a de fazer “um filme sobre poemas, mas um filme poético”, e que também não quis pegar no lado polémico das relações pessoais da personalidade histórica nem contar uma “biografia clássica”. Em vez disso, o realizador empenhou-se em “libertar Florbela de todos os clichés” e revelá-la “como mulher, irmã, amante e filha”.
 
“Mulheres portuguesas merecem um lugar de destaque”
 
 Image and video hosting by TinyPic
Alves do Ó admite que a associação ao Dia Internacional da Mulher foi “uma coincidência feliz – na realidade o dia 8 foi escolhido porque Florbela nasceu e morreu a 8 de Dezembro -, mas que esta pode ser uma boa ocasião para reforçar que “as mulheres portuguesas merecem um lugar de destaque na sociedade e História de Portugal, e devem ser lembradas e celebradas pelos seus feitos e personalidades”.
 
Outra mulher em destaque no filme é, naturalmente, Dalila Carmo, a atriz que tem a seu cargo o papel da protagonista, ao lado de um elenco bem conhecido dos portugueses – do qual também fazem parte nomes como Ivo Canelas, Albano Jerónimo ou Rita Loureiro.

A intérprete foi escolhida por ser “uma grande grande atriz, uma mulher muito inteligente, sensível, atenta e de uma dádiva inquestionável”, que se aproximava muito “da fragilidade” que o diretor queria colocar na sua Florbela.

 
Quando “pensar que sei tudo sobre cinema é porque perdi o norte”
 
Vicente Alves do Ó também se revê na poetisa e afirma-se, como ela, um “insatisfeito”. “Estou sempre à procura dos meus defeitos, das minhas falhas, para melhorar como realizador, para me perceber melhor e aos que assistem aos meus filmes”, confessa, justificando as diferenças que o público poderá identificar entre a realização de “Florbela” e a da sua longa-metragem anterior (a primeira do seu percurso como realizador), “Quinze Pontos de Alma”.

“No dia em que pensar 'faço filmes perfeitos e sei tudo sobre cinema' é porque perdi o norte e no fundo, não sei nada sobre a vida”, defende.

 
O avanço para uma terceira longa-metragem já está no pensamento do realizador mas os próximos três meses estão reservados a “andar pelo país a mostrar a Florbela” e a terminar um romance que está a escrever.
 
Entretanto várias cidades do país já receberam a antestreia do filme, distribuído pela Ukbar filmes, nomeadamente duas das cidades onde o filme foi rodado: Vila Viçosa (onde nasceu Florbela Espanca), e Lisboa (onde a escritora viveu durante algum tempo).

Salvaguardando que “ninguém fala mal do seu próprio filho”, Vicente Alves do Ó assegura que recordará para toda a vida as reações nas antestreias que “não podiam ter sido mais positivas” e “emocionais”.

Pode aceder à página oficial do filme AQUI.

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close