Saúde

Fisioterapia a baixo custo com aplicação portuguesa

Um aluno e um professor de Portalegre desenvolveram uma aplicação informática que permite às pessoas com deficiência efetuarem exercícios físicos a baixo custo e a partir de casa, necessitando somente de um computador.
Versão para impressão
Um aluno e um professor de Portalegre desenvolveram uma aplicação informática que permite às pessoas com deficiência efetuarem exercícios físicos a baixo custo e a partir de casa, necessitando somente de um computador dotado com uma câmara “web”.
 
O software Fisiosoft foi criado por João Tavares, antigo aluno do Instituto Politécnico de Portalegre (IPP) e o João Fradinho Oliveira, docente na Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Portalegre. De acordo com o que o jovem disse à agência Lusa, o projeto foi lançado em 2011 e surgiu no âmbito de uma cadeira universitária.
 
O Fisiosoft é uma aplicação informática que pode ser associada a exercícios terapêuticos de fisioterapia, em diferentes vertentes da componente neuromusculoesquelética. Segundo João Tavares, natural de Marvão, o sistema, que até já foi apresentado em Amesterdão, na Holanda, funciona através de marcadores circulares refletores que são colocados no corpo e identificados pelo software com recurso a uma “webcam”.
 
“É possível desenvolver, através do Fisiosoft, um treino de coordenação motora, treino de equilíbrio, estimulação sensorial e cognitiva”, explicou o ex-aluno do IPP. O programa pode ser aplicado no decorrer de uma sessão de fisioterapia ou mesmo em casa, pelo próprio paciente, embora, neste caso, apenas numa fase “mais avançada” da recuperação.

Programa é um complemento à fisioterapia convencional

 
“Este programa não substitui a fisioterapia”, esclareceu João Tavares. O seu objetivo é, em vez disso, servir como “um complemento que poderá ser usado em casa ou em unidades de saúde, diminuindo os gastos e os tempos despendidos em viagens entre hospital e casa”, apontou.
 
Através do software, o terapeuta pode construir exercícios de movimentos à base de sequências de círculos em que o paciente tem que centrar o marcador em cada círculo desenhado no ecrã, explicou o engenheiro informático. 
 
Além disso, os especialistas que acompanhem o paciente podem registar o tempo que este demora a completar os exercícios e aumentar gradualmente o nível de dificuldade do mesmo, mudando as dimensões do círculo de resposta que o sistema mostra quando está a reconhecer o marcador.
 
Esta aplicação interativa, desenvolvida também com o contributo de um fisioterapeuta, permite, assim, potencial a aquisição e melhoria de capacidades cognitivas e motoras, podendo integrar diferentes metodologias.
 
O Fisiosoft já foi testado por um pequeno grupo de pessoas e foi, inclusive, distinguido pela Associação Salvador com o prémio “Ser Capaz – Investigação e Tecnologia”.

Embora ainda não esteja no mercado, o programa, garante João Tavares, vai ser testado e melhorado com vista à sua comercialização, sendo encarado como um projeto “com futuro”.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close