Sociedade

Financial Times elogia arquitetura hoteleira lusa

A semana passada, o prestigiado Financial Times publicou um artigo onde destaca a originalidade arquitetónica dos hotéis portugueses, apontado-a como a nova tendência do ramo.
Versão para impressão
A semana passada, o prestigiado Financial Times publicou um artigo onde destaca a originalidade arquitetónica dos hotéis portugueses, apontado-a como a nova tendência do ramo. O resultado são “pequenos espaços alternativos, perfeitamente desenhados por alguns dos maiores nomes da arquitetura no país”. 
 
E se, antigamente, o principal foco dos grandes arquitetos era as cidades, atualmente, a maioria destas inovações encontra-se em zonas rurais, onde apresentam uma “forte ligação com a paisagem e a natureza que os rodeia”. Quem o conta é Mary Lussiana, jornalista que assina a peça, segundo a qual estes projetos recorrem a materiais pouco convencionais como cortiça e madeira reciclada.
 
O primeiro estabelecimento deste género a dar-se a conhecer ao mundo foi as 'Casas na Areia', na Comporta, que, inclusive, chegou às 'machetes' na Bienal de Veneza de Arquitetura, em 2010. Aqui, o chão é, literalmente, areia, “em tons dourados, do tipo que nos faz querer mergulhar os nossos pés”.
 

© Casas na Areia

Revestidas a madeira e palha, as 'Casas na Areia', de Manuel Aires Mateus, serviram de inspiração aos próximos projetos do arquiteto: Cabanas no Rio, também na Comporta, e a Casa no Tempo, no Alentejo.
 

Destaque também para a propriedade Rio do Prado, nos arredores de Óbidos, idealizada por Jorge Sousa Santos, segundo o qual a arquitetura tem vindo a adquirir contornos completamente distintos daqueles que a definiam há cerca de quinze anos. Agora, uma das principais preocupações no trabalho de um arquiteto passa, precisamente, por “integrar o seu produto na paisagem”.
 
Não menos notável e importante, segundo o Financial Times, é o paradoxo entre o nome de um grande arquiteto e os projetos de pequena escala que estes, atualmente, preferem idealizar. A título de exemplo, Mary Lussiana refere Eduardo Souto de Moura, responsável por infraestruturas de referência como o estádio de Braga, mas também do icónico 'The Four Rooms Hotel'. 
 
O mesmo consiste na recuperação de uma “antiga e elegante casa do século XIX”, e conta, como o nome indica, com quatro quartos exclusivos, junto à Foz, no Porto. O mesmo serviu de inspiração para um projeto idêntico que o arquiteto, inclusive, já se encontra a preparar, desta vez para o Parque Natural de Montesinho.

© Villa Extramuros

Referência também ao trabalho conseguido com o Villa Extramuros, o novo B&B com cinco quartos, no Alentejo, da autoria do arquiteto Jodi Fornells, onde a cortiça marca uma forte presença, capaz de isolar aquele espaço num silêncio único e característico. Segue-se o Ecork Hotel, perto de Évora, de José Carlos Cruz. 
 

O mesmo é composto por 56 apartamentos independentes, agrupados em torno do edifício principal, revestido a cortiça, onde se encontra o restaurante e restantes áreas de lazer para os hóspedes. 
 
Por último, e talvez “o mais revelador de todos os projetos”, está o projeto de Tiago e Luís Rebelo de Andrade para o Parque Natural das Pedras Salgadas, em Bornes de Aguiar. O mesmo consiste em duas casas de madeira, suspensas entre as árvores daquele espaço.

Leia AQUI o artigo completo, em inglês, publicado no Financial Times.

Notícia sugerida por Maria da Luz

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close