Ciência

Filtro eficiente inovador para remover óleo da água

Um grupo de investigadores da Universidade do Michigan, nos EUA, desenvolveu um filtro capaz de separar óleo e água que poderá ser usado, por exemplo, para limpar os mares em caso de desastres ambientais como derrames de petróleo.
Versão para impressão
Um grupo de investigadores da Universidade do Michigan, nos EUA, desenvolveu um filtro capaz de separar óleo e água recorrendo apenas à gravidade e dispensando, portanto, a utilização de químicos. A descoberta poderá, entre outras aplicações, vir a ser usada para limpar os mares em caso de desastres ambientais como derrames de petróleo.
 
A maioria das substâncias naturais tende a absorver o óleo e as poucas que o repelem também repelem a água. Porém, os cientistas norte-americanos criaram um filtro coberto por uma camada que repele o óleo mas atrai a água, elaborado a partir de uma mistura de borracha e de uma nova nanopartícula. 
 
Para testar a eficácia da criação, Anish Tuteja, que coordenou a investigação, e a sua equipa, fizeram quatro tipo de misturas entre óleo e água, incluindo emulsões como a maionese, nas quais os dois líquidos podem ser muito difíceis de separar.
 
Ao passar as misturas através do filtro que desenvolveram, os investigadores observaram que este era capaz de separar o óleo e a água com 99% de eficácia. “Esta é uma das formas mais baratas e eficientes energeticamente de separar misturas de óleo e água e nunca foi demonstrada anteriormente”, afirma Tuteja, em comunicado.

Invenção poderá ter diversas aplicações
 

Segundo o autor do estudo publicado esta semana na revista científica Nature Communications, também professor de engenharia dos materiais na universidade norte-americana, o mais importante é que o filtro “permite separar o óleo e a água com eficácia sem a necessidade de utilizar químicos ou detergentes”. “Basta utilizar a gravidade”, salienta.
 
Além disso, os filtros apresentam uma outra vantagem, podendo ser usados durante mais de 100 horas sem “entupimentos”, o que corresponde a uma grande melhoria face às tecnologias atuais.
 
Os criadores afirmam que a invenção poderá destinar-se por exemplo, à limpeza de águas contaminadas com petróleo, mas também ao tratamento de águas residuais, à purificação de óleo para a produção de combustível e à indústria da cosmética.
 
O trabalho foi financiado pelo Air Force Office of Scientific Research e a universidade está agora à espera de ver aprovada a patente de proteção da propriedade intelectual e à procura de parceiros de comercialização interessados em colocar a tecnologia no mercado. 

Clique AQUI para aceder ao estudo (em inglês).

[Notícia sugerida por Patrícia Caixeirinho]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close