Cultura

Filmes portugueses escolhidos para festival em Roma

Três filmes portugueses foram selecionados para o Festival Internacional de Cinema de Roma. O evento vai contar com dois documentários e uma longa-metragem com assinatura lusitana.
Versão para impressão
Três filmes portugueses foram selecionados para o Festival Internacional de Cinema de Roma. O evento vai contar com dois documentários com assinatura lusitana, da autoria de Gonçalo Tocha e de Joaquim Pinto e Nuno Leonel, bem como com a longa-metragem portuguesa de ficção “A vida invisível”, de Vítor Gonçalves.
 
A 8ª edição do festival vai decorrer já de 8 a 17 de Novembro e o programa foi, esta terça-feira, divulgado pela organização, que dispõe de um orçamento de sete milhões de euros e que, durante o certame, vai assinalar os 20 anos da morte do realizador italiano Federico Fellini.
 
A longa-metragem “A vida invisível”, de Vítor Gonçalves, nascido nos Açores em 1951 e professor na Escola Superior de Teatro e Cinema desde 1982, vai participar na competição internacional, secção para a qual foram selecionadas 18 produções internacionais. 
 
Produzido pela Rosa Filmes, o filme tem como protagonista os atores Filipe Duarte, Maria João Pinho, João Perry, Pedro Lamares e Susana Arrais, assinalando o regresso do realizador às longas-metragens depois de “Uma rapariga no verão” (1986).
 
Em competição na categoria “Cinema XXI”, dedicada às “novas tendências cinematográficas”, estarão, por sua vez, dois documentários portugueses: “O novo testamento de Jesus Cristo segundo João”, de Joaquim Pinto e Nuno Leonel, e “A mãe e o mar”, de Gonçalo Tocha.
 
O primeiro filme regista a leitura de um texto bíblico – O Evangelho segundo São João – pelo ator Luís Miguel Cintra, durante uma tarde, até ao pôr do sol, e marca o regresso de Joaquim Pinto e Nuno Leonel a um festival internacional depois de terem sido premiados no festival de Locarno, na Suíça, e no festival de Valdivia, no Chile, com “E agora? Lembra-me”. 
 
“A mãe e o mar”, de Gonçalo Tocha, revela uma tradição quase extinta de mulheres pescadoras e mestres de barcos em Vila Chã, localidade a norte de Vila do Conde. 
 
Trata-se de um “mergulho das 20.000 léguas submarinas, uma apneia muito profunda, um filme um bocado dura”.”Não há música, aquilo é um mergulho puro e duro e é para quem consegue respirar”, descreveu o realizador à Lusa em Julho, quando o filme se estreou em Vila do Conde. 
 
O plano de Gonçalo Tocha, também autor do documentário “É na terra, não é na lua”, sobre a ilha açoriana do Corvo, era, inicialmente, rodar uma curta-metragem encomendada pelo projeto Estaleiro, de Vila do Conde, mas a abundância de material acabou por culminar numa “longa”. 
 
O programa completo da secção “Cinema XXI” só será revelado no dia 23 e os filmes selecionados serão exibidos no MAXXI – Museu de Arte do século XXI, em Roma. O júri da competição internacional, com filmes concorrentes ao prémio Marco Aurélio de ouro, será presidido pelo realizador norte-americano James Gray.

Clique AQUI para aceder ao site oficial do Festival Internacional de Cinema de Roma. 

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close