Mundo

Fidel admite que economia cubana “não funciona”

O modelo económico cubano "já não funciona", admitiu Fidel Castro numa entrevista publicada esta quarta-feira na revista "The Atlantic". A afirmação foi interpretado por vários analistas como uma autorização para que seu irmão Raúl empreenda

Versão para impressão
[Foto © EPA]

O modelo económico cubano “já não funciona”, admitiu Fidel Castro numa entrevista publicada esta quarta-feira na revista “The Atlantic”. A afirmação foi interpretado por vários analistas como uma autorização para que seu irmão Raúl empreenda uma série de reformas no país.

O comentário de Fidel, em resposta a uma pergunta de um jornalista da revista norte-americana “The Atlantic”, é também o reconhecimento expresso por parte do líder cubano de que o país sofre uma profunda crise económica.

“O modelo cubano não serve nem para nós”, assinalou o líder cubano ao jornalista americano Jeffrey Goldberg em entrevista em Havana.

O reconhecimento do fracasso do modelo económico cubano foi recebido com surpresa pelos exilados cubanos que vivem em Miami. Analistas políticos dos EUA consideram que este é o aval de Fidel a Raúl para promover reformas na ilha.

Trata-se de “um sinal público do líder máximo para que (o governante cubano) Raúl Castro empreenda as reformas econômicas necessárias” para sair da crise, disse à Agência Efe Rafael Lima, professor da Faculdade de Comunicação da Universidade de Miami (UM).

Para Max Lesnick, de 80 anos, e amigo de Fidel Castro desde os tempos da Universidade de Havana, a situação é clara. “Ele está a tentar corrigir os erros da revolução. Estou muito feliz com isso; é o correto. Hoje, é um velho estadista; já não é o presidente de Cuba. É como Jimmy Carter [ex-presidente dos EUA]”, sublinhou o ex-jornalista residente em Miami.

Fidel admite erros do passado e critica armas nucleares

Na entrevista, Fidel, que conta já 84 anos, avançou com outras afirmações que surpreenderam o jornalista Goldberg. O chefe de Estado reconheceu ter cometido um erro ao aceitar que a então União Soviética colocasse mísseis em Cuba apontados para os EUA. Estava-se em 1962 e a “crise dos mísseis” quase levou a uma nova guerra mundial.

Fidel criticou ainda a política nuclear e o anti-semitismo dos iranianos. “Ao longo da história, ninguém sofreu mais do que judeus e árabes”, garantiu Fidel que se fez fotografar e filmar a cumprimentar Adela Dworin, líder da comunidade judaica em Cuba.

Por fim, o líder cubano mostou-se contra qualquer tipo de arma nuclear, onde quer que seja. Numa visita ao Aquarium de Havana, Fidel explicou a Goldberg que o diretor da instituição é Guillermo Garcia, um físico nuclear. “Assim, impedimo-lo de fabricar a bomba”, acrescentou divertido.

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close