Fitness & Bem-estar

Feira Popular em Lisboa entre Novembro e Janeiro

Os carrosséis, os carrinhos de choque, as pipocas e as farturas vão regressar temporariamente à antiga Feira Popular de Lisboa.
Versão para impressão
Os carrosséis, os carrinhos de choque, as pipocas e as farturas vão regressar temporariamente à antiga Feira Popular de Lisboa, em Entrecampos, que pelo 4º ano consecutivo volta a abrir portas por ocasião do Natal. A feira vai estar aberta de 29 de Novembro a 26 de Janeiro.

Além do parque de diversões, o espaço terá um circo residente. Com entrada e estacionamento gratuito, vai oferecer “entre 18 a 20 equipamentos, todos diferentes, para crianças, famílias e radicais”, disse à Lusa o organizador da feira, Hélio Amaral.

 
A Super Pista Hiper Gigante, a Roda Gigante (com 18 metros), a Mini Roda Gigante, um pavilhão de jogos, carrinhos de choque para crianças, um trampolim para todas as idades, barcos infantis e bolas aquáticas são alguns dos divertimentos.

Para tentar “contrariar a crise”, os feirantes decidiram criar o “dia do euro”, que consiste em ter “todas as fichas por um euro”, explicou Hélio Amaral.
A feira vai estar aberta todos os dias de semana entre as 15:00 e as 24:00 e aos fins de semana entre as 13:00 e as 24:00.

Esta é a segunda vez que o feirante organiza esta feira popular temporária, lamentando que Lisboa ainda não tenha uma permanente. “Gostava que voltasse a funcionar todo o ano. Gostava de ter capacidade para organizar a Feira Popular em Lisboa”, confessou.

Com esperanças de que o novo parque de diversões esteja para breve, Hélio Amaral defendeu que a sua futura localização tem de ser em Lisboa: “Se for fora, perde a piada”.

A Feira Popular foi criada inicialmente para financiar férias de crianças carenciadas e, mais tarde, passou a financiar toda a ação social da Fundação O Século. Encerrou há 10 anos e nunca mais Lisboa voltou a ter um parque de diversões.

Esta semana, o presidente da Câmara de Lisboa, António Costa, anunciou que já tem um local escolhido para acolher a nova feira, mas recusou revelar qual será o espaço.

Contactado pela Lusa, o presidente da Fundação O Século disse desconhecer quaisquer negociações sobre a futura Feira Popular e admitiu que gostava de ser chamado a participar nas conversações, embora reconheça que a fundação abdicou de quaisquer direitos sobre a exploração do espaço, num acordo de 2002.

Notícia sugerida por Raquel Bâeta

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close