Saúde

Fármaco contra hipertensão pode prevenir demência

A ingestão de medicamentos betabloqueadores, amplamente usados para tratar doenças cardiovasculares, como a hipertensão, pode reduzir o risco de demência. A conclusão é de um estudo norte-americano da Universidade do Havai, nos EUA.
Versão para impressão
A ingestão de medicamentos betabloqueadores, amplamente usados para tratar doenças cardiovasculares, como a hipertensão, pode reduzir o risco de demência. A conclusão é de um estudo norte-americano da Universidade do Havai cujos resultados finais vão ser conhecidos em Março.
 
A equipa de investigadores da universidade dos EUA baseou-se em autópsias feitas a 774 homens e constatou que aqueles que tomavam betabloqueadores para controlar a hipertensão mostraram ter menos lesões cerebrais do que os homens que não recebiam este tratamento ou que, em alternativa, ingeriam outros fármacos para controlar o problema.
 
Entre os homens analisados pela investigação, que será dada a conhecer integralmente na conferência anual da American Academy of Neurology daqui a dois meses, 610 sofriam de hipertensão e estavam sob tratamento.
 
Citado pela BBC, o autor do estudo, Lon White, explicou que “com o aumento previsto no número de pessoas com Alzheimer à medida que a população mundial envelhece, é cada vez mais importante identificar elementos que podem retardar ou prevenir a doença”, o que justifica a relevância da investigação.
 
A hipertensão arterial é um dos principais fatores de risco para o desenvolvimento de demências, já que pode danificar os pequenos vasos que levam o sangue ao cérebro, garantindo-lhe o seu normal funcionamento. A seguir ao Alzheimer, a demência vascular é a forma mais comum de demência, frequente quando o fluxo de sangue até ao cérebro é reduzido. 
 
De realçar que, de acordo com a BBC, um estudo anterior, realizado há dois anos com uma amostra de 800 mil homens, tinha já sugerido que um outro fármaco utilizado para monitorizar a hipertensão, os chamados bloqueadores do receptor de angiotensina, pode diminuir o risco de demência, inclusive o risco de Doença de Alzheimer, em até 50%.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Mais recentes

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close