Saúde

Fármaco contra a epilepsia pode atrasar alzheimer

Um fármaco em desenvolvimento para controlo da epilepsia poderá ser promissor no tratamento da doença de Alzheimer. A conclusão é de um grupo internacional de investigadores, que acredita que o medicamento pode atrasar a evolução desta patologia neur
Versão para impressão
Um fármaco em desenvolvimento para controlo da epilepsia poderá ser promissor no tratamento da doença de Alzheimer. A conclusão é de um grupo internacional de investigadores, que acredita que o medicamento pode atrasar a evolução desta patologia neurodegenerativa e o declínio da memória.
 
Um estudo desenvolvido pela Universidade da Colúmbia Britânica (UCB), no Canadá, e publicado, a semana passada, na revista científica Alzheimer's Research & Therapy, vem reforçar a importância da hiperexcitabilidade do cérebro na doença de Alzheimer, demonstrando que os fármacos anticonvulsores – medicamentos que previnem ou reduzem a intensidade das convulsões – representam uma potencial alternativa de tratamento.

Estudos anteriores já tinham demonstrado que o 'levetiracetam', um medicamento anticonvulsor que foi testado em modelos animais e em pacientes humanos com sinais precoces de doença de Alzheimer, contribuía para atrasar alguns dos sintomas da patologia, entre eles a perda de memória. 

Os investigadores decidiram, agora, testar os efeitos do 'brivaracetam', outro fármaco anticonvulsor para tratamento da epilpesia que ainda está em desenvolvimento clínico e que é 10 vezes mais potente que o 'levetiracetam', o que significa que pode ser usado em dosagens mais baixas.

Em testes realizados com ratinhos, a equipa canadiana, coordenada pelo professor da Faculdade de Medicina da UCB e principal autor do estudo Haakon Nygaard, descobriu que o medicamento é capaz de reverter totalmente a perda de memória, apresentando uma eficácia surpreendente e que, por enquanto, a equipa ainda não conseguiu compreender.

Apesar da eficiência do fármaco, Nygaard alerta que estes são dados “muito preliminares” e que há um longo caminho a percorrer até ao possível uso deste fármaco em humanos. “Neste momento, temos vários grupos de investigação a recorrer a medicamentos antiepiléticos e todos apontam para um efeito terapêutico não só em modelos animais com doença de Alzheimer, como em pacientes com a patologia”, afirma o investigador em comunicado.

“É provável que ambos os fármacos venham a ser testados em ensaios clínicos amplos com humanos nos próximos cinco a 10 anos”, estima Nygaard, frisando que “vão ser necessários estudos mais aprofundados em pacientes reais antes de se poder determinar a possibilidade de introduzir as terapias com anticonvulsores entre as armas usadas contra o Alzheimer”.

A doença de Alzheimer é a causa mais comum de demência em idade avançada, destruindo, lentamente, a memória e as capacidades cognitivas e acabando por anular, por completo, a capacidade de cumprir tarefas simples do dia-a-dia.

Qualquer pessoa pode desenvolver esta patologia, mas a mesma é mais comum após os 65 anos. A nível mundial, a demência afeta uma em cada 80 mulheres, com idades compreendidas entre os 65 e 69 anos, e um em cada 60 homens na mesma faixa etária.
 
Clique AQUI para aceder ao estudo (em inglês).
 

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close