Saúde

Fadiga crónica pode ter origem no intestino

O síndrome da fadiga crónica é uma condição que ainda hoje confunde os médicos. Saiu no último mês um estudo da Universidade de Cornell que diz que o intestino pode estar na origem esta doença.
Versão para impressão
O síndrome da fadiga crónica é uma condição que ainda hoje confunde os médicos, sem causas conhecidas e diagnósticos lentos que requerem a ajuda de vários especialistas. Mas um novo estudo da Universidade de Cornell (EUA) aponta as bactérias – ou melhor, a falta delas – do intestino como sendo responsáveis por este problema.
 
Publicado na revista Microbiome, o estudo relata que foram identificados marcadores biológicos deste problema de saúde (muitas vezes crónico) em bactérias do intestino e agentes microbianos inflamatórios no sangue.

A investigação identificou corretamente o síndrome da fadiga crónica em 83 por cento dos pacientes, utilizando análises de amostras de fezes e sangue. Este diagnóstico, para além de não ser invasivo, é crucial para compreender a origem da doença.

 
"O nosso trabalho demonstra que as bactérias intestinais em pacientes com síndrome da fadiga crónica não são normais", disse Maureen Hanson, professora no Departamento de Biologia Molecular e Genética em Cornell e autor sénior do estudo. "Além disso, a deteção de uma anomalia biológica é mais uma prova contra a noção ridícula de que esta doença tem origem psicológica."


Scan colorido de bactérias intestinais – as pessoas com o síndrome de fadiga crónica têm uma menor diversidade destas bactérias
 
Para o estudo foram analisadas 48 pessoas com síndrome de fadiga crónica já diagnosticado e 39 pessoas saudáveis para controlo. Os investigadores sequenciaram secções de ADN a partir das amostras de fezes e sangue, identificando diferentes tipos de bactérias e marcadores de infeções.

Solução pode estar na mudança da dieta
 
No geral, os pacientes com a doença revelaram uma menor diversidade de bactérias intestinais e tinham menos bactérias conhecidas por serem anti-inflamatórias: uma situação também registada em pacientes com doença de Crohn e colite ulcerativa.
 
No futuro, a equipa de investigação vai procurar a existência de vírus e fungos no intestino para ver se estes, em associação com as bactérias, podem causar ou reforçar os sintomas da doença.
 
"Se percebermos melhor o que é que está a acontecer com estes micróbios do intestino, talvez os médicos considerem prescrever uma mudança de dieta como um possível tratamento", conclui Ludovic Giloteaux, investigador e primeiro autor do estudo.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close