Sociedade

Fábrica de chocolates de Barcelos retoma produção

Entrou em falência em 2004, mas agora apresenta uma faturação superior a meio milhão de euros: a Avianense, a mais antiga fábrica de chocolates de Portugal, situada em Durães, Barcelos, produziu 100 toneladas este ano e em 2011 terá novas instalações
Versão para impressão
Entrou em falência em 2004, mas agora apresenta uma faturação superior a meio milhão de euros: a Avianense, a mais antiga fábrica de chocolates de Portugal, situada em Durães, Barcelos, produziu 100 toneladas este ano e em 2011 terá novas instalações e irá contratar mais trabalhadores.

Foi pela mão de Luciano Costa que, em 2005, a fábrica retomou a produção, quando o empresário comprou a marca de chocolates de Viana do Castelo, bem como a sua frota e equipamentos. A Avianense ficou desde aí a funcionar em Barcelos, no espaço de uma fábrica de confeções, mas Luciano Costa pretende aproximá-la da sua terra natal.

“Vamos ficar mais perto de Viana, ou seja, a 100 metros do rio Neiva, que é o início do concelho, na fronteira com o de Barcelos”, explicou o empresário ao Diário de Notícias (DN), referindo-se às novas instalações que a fábrica ocupará em 2011.

Nessa altura, os postos de trabalho também devem triplicar: o número de trabalhadores passará de 10 para 30, estando igualmente prevista a triplicação da produção anual de 100 para 300 toneladas de chocolate.

Além disso, Luciano Costa prevê que o novo espaço da fábrica tenha novas valências, tais como um museu dedicado à história da Avianense e do fabrico do chocolate. Aí será recordado o famoso “Imperador”, um bombom feito com amêndoa torrada nacional e chocolate de leite.

“É o nosso ex-líbris e o produto que mais vendemos. Só tenho pena é de não ter tudo pronto já este ano”, confessa o empresário ao DN.

Fundada em 1914, a fábrica Avianense foi declarada falida pelo Tribunal Judicial de Viana do Castelo a 24 de setembro de 2004, lançando para o desemprego 48 trabalhadores. Em causa estavam dívidas avaliadas em 2,155 milhões de euros; o Estado era o maior credor, reclamando 1,142 milhões de euros respeitantes a IRS, IVA e Segurança Social.

[Notícia sugerida pela utilizadora Raquel Baêta]

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close