Em Destaque Saúde

Extratos de cereja e alfazema podem ajudar a combater cancro

Portugal dá mais um passo no desenvolvimento de nutracêuticos, princípios ativos naturais que ajudam na prevenção e no tratamento do cancro
Cereja, agrião, alfazema e poejo são alguns dos produtos naturais que têm na sua composição química compostos com potencial efeito anti-tumoral. Uma equipa de investigadores portugueses isolou e testou, com sucesso, estratos destes ingredientes comprovando o seu potencial para travar a multiplicação de células cancerígenas.
Versão para impressão
por redação

Investigadores do Instituto de Biologia Experimental e Tecnológica (iBET) desenvolveram uma nova tecnologia de extração limpa e sustentável – tecnologia de extração com solventes não tóxicos pressurizados –, capaz de isolar com sucesso diversos extratos naturais.

Desperdícios de cereja, cascas de citrinos, alfazema, rosmaninho, hortelã e poejo, agrião, brócolos e rúcula são os extratos naturais já testados, in vitro, e que apresentam concentrações elevadas dos compostos bioativos.

Por exemplo, o refugo de cereja, hoje desaproveitado, tem extratos ricos em álcool perílico, um monoterpeno com reconhecida atividade anti-cancerígena.

“Este é mais um passo para a futura disponibilidade de nutracêuticos e princípios ativos naturais, reconhecidos pelos pares, pela regulamentação e pela indústria, e recomendados pelos clínicos como agentes que retardem o aparecimento da doença ou como coadjuvantes de métodos terapêuticos agressivos, permitindo a diminuição das doses terapêuticas ou a atenuação de efeitos secundários”, refere Teresa Serra, investigadora líder do projeto, num comunicado enviado ao Boas Notícias.

Além da importância clínica e humana, prevê-se que “o trabalho que estamos a desenvolver tenha um impacto económico relevante junto da indústria agro-alimentar uma vez que envolve a valorização de desperdícios e excedentes provenientes das suas fábricas e produções”, acrescenta Ana Matias, responsável do “Grupo de Nutracêuticos e Libertação Controlada” do iBET, instituto que tem vindo a marcar uma forte posição nacional e internacional nesta área de investigação.

 

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close