Negócios e Empreendorismo

Exportações para Moçambique triplicaram em 5 anos

As exportações para Moçambique mais do que triplicaram entre 2008 e 2012 atingindo, no ano transato, os 288 milhões de euros. Destes, 31 milhões correspondem ao setor agro-alimentar, revelam os números mais recentes do INE.
Versão para impressão
As exportações para Moçambique mais do que triplicaram entre 2008 e 2012 atingindo, no ano transato, os 288 milhões de euros. Destes, 31 milhões correspondem ao setor agro-alimentar, revelam os números mais recentes do Instituto Nacional de Estatística (INE).
 
De acordo com os dados do INE, as exportações para aquele país cresceram quase 33% em 2012 (de 217 para 282 milhões de euros), contrastando com a quebra de 61% nas importações, que passaram dos 42 milhões de euros registados em 2011 para os 16 milhões de euros no ano passado.
 
Em 2012, Moçambique, que, já na próxima sexta-feira, receberá uma visita da ministra da agricultura Assunção Cristas, afirmou-se, portanto, como o 22º maior cliente de Portugal, subindo quatro posições face ao ano anterior e levando consigo empresários de várias áreas com o objetivo de promover contactos locais. 
 
Os produtos mais exportados para Moçambique são máquinas e aparelhos, metais comuns, material de transporte e também bens alimentares, sendo o setor das bebidas o que mais se destaca, com os bens expedidos a valerem nove milhões de euros. 
 
Segundo uma nota enviada à Lusa pelo Ministério da Agricultura, Mar, Ambiente e Ordenamento do Território (MAMAOT), os preparados de carne e peixe (cinco milhões), as gorduras e óleos alimentares (3,4 milhões), os preparados de leite e cereais (2,7 milhões) e os produtos hortícolas e frutas (2,4 milhões) ocupam as posições seguintes.
 
A mesma nota destaca igualmente alguns dos principais investimentos portugueses efetuados em Moçambique, nomeadamente a fábrica da Sumol+Compal, um projeto erguido em parceria com a empresa Tropigália (de capitais portugueses), que começou a produzir a marca GUD em Dezembro e deve começar em breve a fabricar a marca Compal. 
 
Também a Portucel celebrou já com as autoridades moçambicanas um projeto para a instalação de uma fábrica de pasta de papel associado a uma área de plantação com 350 mil hectares (em Manica e na Zambézia), estimado em dois mil milhões de dólares.
 
Destaque ainda para um outro projeto, da Lusiaves, destinado à produção de frangos, que deverá contar com financiamento da SOFID, sociedade financeira de crédito com maioria de capital estatal que apoia investimentos de empresas portuguesas em países emergentes e em vias de desenvolvimento. 

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close