Mundo

Exército: Obama quer fim da discriminação sexual

O governo norte-americano encabeçado pelo presidente Barack Obama aprovou uma proposta de alteração à lei que abre caminho à eliminação da legislação "Don´t Ask, don´t tell" ("Não perguntes, não contes") que proíbe os soldados homossexuais de express
Versão para impressão
O governo norte-americano encabeçado pelo presidente Barack Obama aprovou uma proposta de alteração à lei que abre caminho à eliminação da legislação “Don´t Ask, don´t tell” (“Não perguntes, não contes”) que proíbe os soldados homossexuais de expressarem abertamente a sua identidade sexual.

“Don´t ask, don´t tell” foi uma lei aprovada durante a Administração de Bill Clinton e permitia a presença de gays no exército desde que estes não revelassem a sua condição. Contudo, mais de 10 mil elementos foram expulsos por violarem esta política.

Na proposta apresentada, o Presidente Obama, o secretário da Defesa Robert Gates e o chefe do Estado-Maior Interarmas Mike Mullen dizem que se certificaram de que a nova política é “consistente com os padrões de aprontamento militar, eficácia, coesão das unidades e recruta e retenção das forças armadas”, conforme cita o jornal Público.

Os apoiantes da alteração mostram-se confiantes com a oportunidade de gays e lésbicas poderem servir livremente no exército. Segundo a CNN, 8 em cada 10 americanos apoiam a presença de homossexuais no serviço militar.

“O apoio é generalizado, até entre Republicanos”, esclareceu o responsável pelo inquérito da CNN, Keating Holland. “Quase 6 em cada 10 Republicanos mostraram-se favoráveis”, disse o mesmo responsável citado pelo Christian Science Monitor.

Segundo a mesma publicação, 52 por cento dos norte-americanos consideram as relações de gays e lésbicas “moralmente aceitáveis”.

“Estamos a observar uma mudança a longo-termo da opinião pública”, explica um professor norte-americano, Bon Tempo. “Cada vez mais as pessoas convivem num mundo onde homossexuais fazem parte do discurso político e as pessoas já estão mais confortáveis com essa ideia”.

A medida irá ajudar a fortalecer o exército norte-americano e “respeitar o serviço de gays e lésbicas,” conforme refere um apoiante da medida proposta pela administração Obama numa altura estratégica enquanto os democratas não perdem mais lugares de votação no senado, o que deverá acontecer já em novembro. A aprovação da lei continua contudo incerta e a entrar em vigor acontecerá apenas no final do ano.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close