Inovação e Tecnologia

Europa: Software luso gere redes de transportes

É português o software que gere os recursos do Metro de Londres e várias redes de comboios da Europa do Norte. Criada nos anos 80, a empresa de inteligência artificial de João Pavão Martins e Ernesto Morgado é símbolo de inovação e excelência a nível
Versão para impressão

É português o software que gere os recursos do Metro de Londres e várias redes de comboios da Europa do Norte. Criada nos anos 80, a empresa de inteligência artificial de João Pavão Martins e Ernesto Morgado é símbolo de inovação e excelência a nível internacional.

Quando pensaram a SISCOG – Sistemas Cognitivos -, os dois amigos e colegas tinham já o objetivo de abrir caminho numa área inovadora. Tudo começou em 1980, quando os seus dois fundadores faziam o doutoramento em Inteligência Artificial (AI) na Universidade Estadual de Nova Iorque, nos EUA.

“Colegas e amigos já desde a licenciatura no Instituto Superior Técnico, percebemos nos EUA que a aplicação dos conhecimentos que estávamos a obter –  Inteligência Artificial – quando aplicados a novos projetos obtinham sempre sucesso” explica, ao Boas Notícias, João Pavão Martins (na foto).

De regresso a Portugal, os dois engenheiros estavam decididos a aplicar as técnicas aprendidas lá fora. Tinham como objetivos “atuar num nicho de mercado, desenvolver produtos próprios ao invés de prestar serviços e apostar no mercado internacional”. Vinte e cinco anos depois, os mentores podem orgulhar-se de terem atingido as três metas.

“O que é nacional é bom”

A consolidação da empresa do mercado português arrancou de forma positiva, graças ao contrato com a tecnológica Sperry (ex-Unisys), em 1985, para o desenvolvimento de um sistema pericial.

Outro factor determinante para a consolidação inicial da SISCOG, foi a iniciativa da empresa de criar dois protótipos gratuitos para as duas primeiras empresas que se mostrassem interessadas nesta oferta. Foi assim que a SISCOG desenhou um software de planeamento de turnos de tripulantes para a TAP e um programa de gestão de excedentes de tesouraria para o BNU.

João Pavão Martins acredita que “o protótipo para a TAP acabou por determinar o que viria a ser a área de atuação da SISCOG”: o planeamento e a gestão de recursos de empresas de transporte, nomeadamente de “pessoal, veículos e horários”.

O caminho não foi fácil sobretudo porque, em meados dos anos 80, era ainda necessário “convencer as empresas portuguesas de que a Inteligência Artificial poderia fornecer soluções informáticas competitivas”. João Pavão Martins garante ainda que foi preciso “lutar contra a tendência dos portugueses pensarem que o que é nacional não presta e que o que é estrangeiro é bom”.

De Portugal para o Mundo

No plano internacional, o principal desafio da SISCOG foi o de mostrar “que uma empresa portuguesa fosse fornecedora de tecnologia inovadora, quando o nosso país estava conotado internacionalmente como fornecedor de mão-de-obra barata e não qualificada”, diz o CEO.

Hoje, os softwares CREWS (gestão de pessoas e turnos), e os mais recentes FLEET (planeamento de material circulante) e ONTIME (planeamento de horários) – os principais desenvolvidos pela empresa -, atuam com clientes tão importantes quanto o Metro de Londres e o Metro de Lisboa. Os sistemas organizam também os caminhos-de-ferro da Finlândia, Noruega, Holanda e Dinamarca (neste momento os CREWS regem ainda os comboios suburbanos de Copenhaga).

O Metropolitano de Londres, realça João Pavão Martins, “andava há mais de vinte anos à procura de uma solução para o planeamento dos seus maquinistas”. Em 2005, num concurso público internacional, a SISCOG apresentou um protótipo de demonstração que provou ao sistema de transportes as vantagens de adquirir o sistema CREWS da empresa. 

O projeto português foi vencedor por mostrar que “resolvia o problema do planeamento dos maquinistas” e também por introduzir “poupanças significativas em relação aos planos produzidos por planeadores humanos”, assegura o CEO.

A SISCOG foi, em 1993, a primeira empresa portuguesa a exportar software. “Neste momento cerca de 85% do nosso volume de faturação é para o exterior, mas se considerarmos o total de volume de negócios desde o início da empresa andamos à volta dos 93%.”, assegura o fundador da empresa.

A expansão para outros países ainda está em curso e há planos para que a área de atuação saia da Europa, nomeadamente para a China, o Brasil e os Estados Unidos.

O cliente mais antigo está com a empresa há cerca de 20 anos

Os concorrentes mais diretos da empresa são originários dos EUA, Canadá e Alemanha. As empresas restantes que atuam na área “não são tão especializadas como a SISCOG”.

É o facto de a empresa se ter especializado numa área muito concreta que a distingue das suas competidoras. De acordo com João Pavão Martins esta é “a empresa com mais experiência no domínio dos caminhos-de-ferro, e com elevadas capacidades de otimização nesta área”.

O fundador destaca ainda “a qualidade do software” disponibilizado aos clientes, “as capacidades de otimização com consequência em ganhos efetivos para as empresas, o “suporte e serviço de manutenção” dado e a “inovação constante” com que os produtos vão sendo introduzidos.

Por estas e outras razões, a SISCOG é um modelo a seguir pelas empresas portuguesas. Graças à sua aposta na excelência, esta “velha” empresa de produtos inovadores tem clientes que estão consigo “há perto de 20 anos”, numa prova irrefutável de fidelização.

Clique AQUI para visitar o site oficial da SISCOG.

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close