Mundo

EUA: Walmart quer fazer entregas através de clientes

A cadeia de lojas norte-americana WalMart está a considerar a aplicação de uma estratégia inovadora na entrega das encomendas efetuadas pela Internet, convidando os clientes das lojas físicas a entregar os pedidos dos compradores online.
Versão para impressão
A cadeia de lojas norte-americana WalMart está a considerar a aplicação de uma estratégia inovadora na entrega das encomendas efetuadas pela Internet. A multinacional pondera convidar os clientes das lojas físicas a entregar os pedidos dos compradores online que estejam próximos da sua área, oferecendo, em troca, descontos no talão de compras.
 
A novidade foi avançada pelo diretor executivo da Walmart.Com, Joel Anderson, que deu a conhecer a intenção da empresa durante uma entrevista à agência Reuters. Com a introdução desta mudança, a companhia, a maior cadeia de venda a retalho do mundo, passaria a fazer parte de um fenómeno que tem vindo a tornar-se popular conhecido por “economia de partilha”.
 
Atualmente, várias startups a nível internacional ajudam particulares a fazer dinheiro através do aluguer de carros, de quartos ou até de roupa. A nova estratégia da WalMart seria, em termos práticos, semelhante a este tipo de serviço, sendo pedido aos clientes que “alugassem” um espaço no seu veículo e sendo “alugada” a sua boa vontade para ajudar os outros.
 
O objetivo é que, de entre os milhões de consumidores que, todas as semanas, visitam as lojas da multinacional, alguns se inscrevessem como “distribuidores”, dando a conhecer à multinacional a sua morada e, quando se justificasse, entregando encomendas efetuadas por clientes que vivam perto das suas áreas de residência, explicou Anderson à Reuters.
 
Como recompensa, a WalMart ofereceria um desconto nos talões de compras dos “distribuidores”, cobrindo os custos que estes gastariam em combustível para chegar à morada do comprador online em troca da entrega das encomendas.

Aplicação na prática terá de superar obstáculos
 

Apesar da intenção da multinacional, a aplicação desta ideia na prática exigiria que fossem ultrapassados vários obstáculos legais e relacionados com a privacidade, pelo que se trata ainda se uma hipótese muito precoce que está a ser analisada.
 
“Ainda estamos na fase do 'brain-storming', mas será possível dentro de um ano ou dois”, antecipou Jeff McAllister, vice-presidente da WalMart U.S. Innovations.
 
Os especialistas consideram, no entanto, que esta realidade não deverá ser introduzida em todo o país, sendo baixa a probabilidade de estarem envolvidas neste sistema todas as 4.000 lojas espalhadas pelos EUA. 
 
“Tenho a certeza que será um sistema testado em várias lojas, mas provavelmente só se manterá nos mercados metropolitanos e para os itens mais caros”, defendeu Matt Nemer, analista de venda a retalho da Wells Fargo Securities também ouvido pela Reuters.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close