Saúde

EUA: Português ganha bolsa para estudar a medula

Um investigador português vai receber uma bolsa norte-americana no valor de cerca de 122 mil euros, que lhe vai permitir desenvolver um projeto que pretende aumentar a capacidade das células da medula para curar doenças como a leucemia.
Versão para impressão
Um investigador português vai receber uma bolsa norte-americana para investigar processos de tratamento com células da medula. A bolsa, no valor de cerca de 122 mil euros, vai permitir a Henrique Veiga Fernandes desenvolver um projeto que pretende aumentar a capacidade dessas células para curar doenças como as leucemias.
 
De acordo com informações avançadas pelo cientista à agência Lusa, a bolsa foi atribuída pela National Blood Foundation dos EUA e corresponde a um período de investigação que se prolongará por dois anos.
 
Embora vá ser financiado pela entidade norte-americana, o trabalho vai ser inteiramente desenvolvido em Portugal, no Instituto de Medicina Molecular (IMM) da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa.
 
Segundo Henrique Veiga Fernandes, de 40 anos,  o objetivo é conseguir reforçar as caraterísticas de células estaminais que rareiam na medula humana de modo a torná-las “muito mais eficazes” no combate a doenças sanguíneas. Isto porque, uma vez que este tipo de células é escasso, o tratamento torna-se mais difícil.
 
No futuro, o tratamento poderá vir a ser utilizado não apenas nas doenças que atingem diretamente a medula óssea, como a leucemia, mas também em pacientes com cancro cujos processos de tratamento destroem as suas células.

Equipa vai avançar para os testes em humanos
 

O investigador desvendou que o propósito do projeto já foi alcançado em ratos e em ambiente laboratorial e será agora testado em seres humanos pela equipa do IMM que lidera, apoiada pelo próprio instituto e que conta ainda com mais dois especialistas.
 
O processo, acrescentou, passa por determinar quais as proteínas existentes no próprio corpo humano e na própria medula que irão ser colocadas em grandes quantidades em contacto com as células a potenciar, de modo a aumentar-lhes as capacidades. 
 
A determinação da proteína é a parte mais difícil de um processo que culminará, depois, com a obtenção dessa mesma proteína por via artificial, em laboratório, para tornar o tratamento mais barato quando este se destine à aplicação em doentes.
 
Henrique Veiga Fernandes é licenciado em Veterinária e doutorado em Imunologia, Biologia Celular e Molecular pela Universidade René Descartes (França), onde, em 2002, concluiu o doutoramento. Antes de regressar a Portugal para trabalhar na Unidade de Imunobiologia do IMM – que dirige desde 2008 -, trabalhou ainda no Instituto Nacional de Investigação Médica do Reino Unido.

[Notícia sugerida por Patrícia Guedes]

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close