Saúde

EUA: Pomada inovadora para matar cancro da pele

Uma equipa de cientistas norte-americanos das áreas da dermatologia e da nanotecnologia está a desenvolver um creme que poderá vir a ser usado para tratar o cancro e outras doenças da pele.
Versão para impressão
Uma equipa de cientistas norte-americanos das áreas da dermatologia e da nanotecnologia está a desenvolver um creme semelhante a uma pomada que poderá vir a ser usado como terapia para o cancro da pele e outras doenças que afetam as células cutâneas.
 
O produto inovador está a ser criado na Northwestern University, nos EUA, e tem a capacidade de ultrapassar a forte barreira protetora da pele que, normalmente, dificulta o sucesso da aplicação tópica de substâncias destinadas a tratar ou minimizar este tipo de problemas.
 
O creme em questão, que resulta de uma mistura entre um hidratante comum e fármacos compostos por nanopartículas de dimensões cerca de mil vezes inferiores ao diâmetro de um fio de cabelo humano, é capaz de “recrutar” as proteínas naturais da pele e unir-se a elas, conseguindo entrar nas células cutâneas.
 
Quando aplicada diretamente na pele, esta espécie de pomada penetra em todas as suas camadas e de seleciona os genes que causam as diferentes doenças, não afetando os que se encontram saudáveis. Posteriormente, “desativa” os genes patológicos como se de um interruptor se tratasse.
 
“Este medicamento permite-nos tratar os problemas de pele exatamente onde eles se manifestam – na pele”, explica Amy S. Paller, dermatologista e co-autora do estudo que foi efetuado sobre os efeitos do creme e publicado esta semana na revista Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS). 

Riscos mínimos e sem efeitos secundários
 

“Conseguimos fazer com a que a nossa terapia ataque os genes causadores da doença de uma forma muito minuciosa. Os riscos são mínimos e, até à data, não se observaram quaisquer efeitos secundários em humanos ou nos testes efetuados com ratinhos”, acrescenta a investigadora.

Segundo Amy S. Paller e o seu colega Chad Mirkin, coordenador principal da investigação, os principais alvos deste tratamento são o melanoma e o carcinoma das células escamosas (os dois tipos mais comuns de cancro da pele), mas também doenças como a psoríase e outros distúrbios cutâneos. 
 
No futuro, acreditam os investigadores, a terapia poderia também ser usada para reduzir as rugas resultantes do envelhecimento. “Este estudo é um enorme marco na área da regulação genética”, salienta Mirkin. “Creio que o nosso trabalho tem potencial para mudar irreversivelmente esta área para melhor”, conclui o especialista.

Clique AQUI para aceder ao comunicado da Northwestern University (em inglês).

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close