Ciência

EUA: Nova técnica evita que o pão fique com bolor

Uma empresa norte-americana desenvolveu uma técnica que consegue conservar o pão por um período de tempo que vai até aos 60 dias, evitando que este fique com bolor após a abertura da embalagem.
Versão para impressão
Uma empresa norte-americana desenvolveu uma técnica que consegue conservar o pão por um período de tempo que vai até aos 60 dias, evitando que este fique com bolor após a abertura da embalagem. De acordo com os seus criadores, o sistema em causa poderá reduzir significativamente o total de alimentos desperdiçados.
 
Segundo a BBC, a técnica, criada pela empresa Microzap, consiste em eliminar as substâncias e organismos que produzem o bolor ao cozinhar a massa do pão em fornos microondas especiais, inicialmente concebidos para matar as bactérias que causam a salmonela e os estafilococos (uma espécie de micróbios).
 
O forno especial utilizado para o efeito tem sido testado no laboratório da empresa, localizado na Universidade de Tecnologia do Texas, nos EUA. “Nós tratámos uma fatia de pão daquele forno e analisámos a sua quantidade de bolor. Depois de 60 dias, a quantidade era exatamente a mesma desde o momento em que tinha acabado de ser cozido”, explica Don Stull, diretor executivo da empresa, citado pela BBC.
 
O  responsável esclarece que o forno em causa usa tecnologia idêntica à dos microondas comuns, mas com algumas particularidades. “Nós usamos frequências de formas variadas, emitidas por um radiador. Basicamente, temos uma densidade homogénea de sinal, o que significa que não deixamos pontos frios e pontos quentes como nos microondas domésticos”, aponta Stull. 

Empresa espera aprovação dos consumidores
 

O aparecimento do bolor é um dos principais problemas trazidos pelo armazenamento do pão. Caso este esteja em embalagens de plástico, qualquer vestígio de água no alimento pode evaporar e humedecer a superfície, criando condições para que o fungo que gera o bolor – o Rhizopus stolonifer – cresça, por norma cerca de 10 dias após a abertura do pacote.
 
Por este motivo, a nova técnica tem atraído a indústria panificadora, revelam os criadores, embora haja receios de que esta possa aumentar os custos de produção. Além disso, a empresa teme que os consumidores possam não estar dispostos a comer um pão que foi fabricado há mais de um mês.
 
“Precisámos que exista aceitação do consumidor. A maioria, provavelmente, aceitaria [este tipo de produto] se a qualidade do alimento for mantida”, conclui o diretor executivo da Microzap. 

[Notícia sugerida por David Ferreira]

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close