Sociedade

EUA: Fotógrafo retrata sonhos de pessoas sem-abrigo

"O Príncipe e o Mendigo" é um projeto artístico composto por retratos duplos de homens e mulheres sem-abrigo, com uma foto a refletir como são hoje e outra a representar como sonhavam ser.
Versão para impressão
"O Príncipe e o Mendigo" é um projeto artístico composto por retratos duplos de homens e mulheres sem-abrigo, com uma foto a refletir o que são hoje e outra a representar como sonhavam ser.

Quando Horia Manolache chegou a São Francisco, a primeira coisa em que o fotógrafo romeno reparou foi no grande número de pessoas sem-abrigo a viver na cidade.

 
Em 2013, um estudo independente estimou que o número de crianças e adultos sem-abrigo a viver em São Francisco estava perto dos 7.350. Com uma população a rondar os 840 mil habitantes, estes número indicam que cerca de 0,8% das pessoas São Francisco vivem na rua ou em abrigos, não tendo um local a que possam chamar ‘casa’.
 
Manolache, estudante de mestrado na Academia de Arte de São Francisco e residente da cidade, explica, no seu site, que à medida que os seus projetos o levavam pela cidade, encontrou no caminho várias pessoas sem-abrigo e ficou “familiarizado com elas”.
 
Depois de falar com alguns, Manolache perguntou-se: "O que levou estas pessoas a este ponto e como seria a sua vida se tivessem realizado os seus sonhos?"
 
Assim começou o projeto "O Príncipe e o Mendigo", uma série de fotografias que começou como um trabalho universitário e deverá, em breve, dar origem a um livro, sendo que Manolache tem neste momento uma campanha de recolha de fundos, na plataforma IndieGogo, para avançar com a publicação.
 
A série é composta por retratos duplos de homens e mulheres sem-abrigos, com uma foto a refletir como são hoje e outra a representar como sonhavam ser.

 

"Conheci o Frank em Hunters Point, São Francisco. Vivia num atrelado feito à mão com a mulher e o cão. Uma grande preocupação do Frank era que a polícia levasse a sua casa. Contou-me que foi criado com um mordomo, mas que as drogas o trouxeram até aqui. A sua mulher queria ser bailarina, mas porque tem problemas de obesidade não se sentiu confortável em participar no projeto. O Frank é uma das pessoas mais amáveis que já conheci." – Horia Manolache
 
Na descrição da campanha, Manolache explica que “o objetivo do meu projeto é mostrar estas pessoas através de uma abordagem diferente e a distância improvável”. 
 
Acrescenta ainda que está a “tentar mudar uma mentalidade, uma generalização que deixou a sua marca nas pessoas sem-abrigo”, referindo a tendência que algumas pessoas têm de categorizar os sem-abrigo como vítimas da preguiça ou doentes mental. "Espero que o meu projeto faça alguma justiça e junte-se a um movimento maior."
 
“Estas fotografias são sobre os sonhos das pessoas que se esqueceram ou que não podem sonhar”, conclui o romeno.

"Esta é a Jennifer, da família McCloud. Veio da Irlanda com o marido, mas a algum ponto os dois divorciaram-se. É muito tímida quando está sóbria."


"O Max é um veterano da guerra do Golfo e do Vietname. Serviu no exército durante 43 anos. Quando saiu, desistiu de tudo e foi para ruas. Agora tem problemas com o álcool e mal anda por causa de uns problemas de saúde. Um dos seus arrependimentos é já não falar com a sua filha."


"O Henry foi viciado em drogas e álcool. Atualmente vende jornais para uma organização que cuida de pessoas sem-abrigo."


"Mike foi o primeiro a participar neste projeto. Ele vem de Ohio, teve que fugir de lá porque costumava fumar erva mas a polícia apanhou-o e ele foi preso. Agora está a reconstruir a sua vida. Ele tem um lugar para ficar e começou a trabalhar graças a uma organização de São Francisco. "


"Bill teve de fugir da cidade onde viva antes. A razão pela qual teve de fugir é injusta, mas a alternativa era ser preso. Ele quis enviar estas fotos para a sua mãe que Alzheimer para que esta o reconhecesse quando ele voltar."

"Pops esteve na guerra do Vietname. Era engenheiro, começou a usar drogas e perdeu o emprego. Esteve viciado durante 12 anos, até que entrou para uma clínica de reabilitação. Infelizmente, agora é viciado no alcóol." 

As fotos publicadas aqui, com comentários do fotógrafo, foram originalmente publicadas pelo Huffington Post.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close