Ambiente

EUA desenvolvem painéis solares baratos e eficientes

Um grupo de cientistas norte-americanos está a estudar avanços para um aproveitamento da energia solar que permita menos custos sem perder a eficiência e está a desenvolver painéis fotovoltaicos inovadores com materiais abundantes no planeta.
Versão para impressão
Um grupo de cientistas norte-americanos está a estudar avanços para um aproveitamento da energia solar que permita menos custos sem perder a eficiência. A equipa encontra-se a desenvolver painéis fotovoltaicos inovadores que têm como componentes materiais abundantes no planeta, o que os poderá tornar mais baratos e eficazes, facilitando a sua integração nos edifícios. 
 
O anúncio foi feito pelos investigadores do California Institute of Technology e da Dow Chemical Company, nos EUA, que estão a trabalhar em parceria, durante uma conferência subordinada à sustentabilidade no âmbito do 224th National Meeting & Exposition of the American Chemical Society, evento organizado pela maior sociedade científica do mundo que decorreu esta semana em Filadélfia.
 
Segundo os especialistas, liderados por Harry Atwater e James Stevens, as coberturas de telhado que geram eletricidade a partir do sol já são uma realidade a nível comercial, mas é necessário torná-las mais acessíveis ao público em geral garantindo que, ainda assim, mantêm intactas as suas funções.
 
“A sustentabilidade envolve o desenvolvimento de tecnologias que possam ser produtivas a longo-prazo, utilizando recursos que satisfaçam as necessidades atuais sem comprometer a possibilidade de as gerações futuras fazerem o mesmo”, afirmou Atwater, citado pelo portal ScienceDaily, durante a conferência. “É exatamente isso que estamos a fazer com estes novos dispositivos de conversão da energia solar em energia elétrica”, acrescentou.

Novos painéis solares usam zinco e cobre
 

A nova tecnologia fotovoltaica utiliza materiais abundantes e baratos, disponíveis em grandes quantidades na Terra, como é o caso do zinco e do cobre, elementos químicos raros como o índio ou o gálio, muito escassos e que são, maioritariamente, importados à China, responsável por mais de 90% da exportação destes materiais necessários, por exemplo, para baterias de carros híbridos e aparelhos eletrónicos.
 
De acordo com Atwater e Stevens, os esforços da equipa para substituir estes materiais raros e outros metais dispendiosos nos equipamentos fotovoltaicos estão a ser bem-sucedidos. 
 
Os testes realizados com os novos equipamentos, elaborados a partir de fosfato de zinco e óxido de cobre, quebraram recordes em termos de corrente elétrica e voltagem, o que provou que estes têm potencial para alcançar elevados níveis de eficiência.
 
Dentro de cerca de 20 anos, se os progressos continuarem, adiantou Stevens, estes novos painéis solares poderão tornar-se uma realidade e produzir eletricidade a um custo semelhante ao dos métodos convencionais com combustíveis fósseis, nomeadamente o carvão.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close