Mundo

EUA: Descobertas 250 cartas da II Guerra Mundial

Pamela Gilliland comprou, por apenas um dólar, uma caixa para chapéus numa feira comunitária de velharias. A aquisição acabou por ir parar ao fundo de um armário e só mais de uma década depois foi aberta, apanhando todos de surpresa.
Versão para impressão
Foi há cerca de 15 anos que a norte-americana Pamela Gilliland comprou, por apenas um dólar, uma caixa para chapéus numa feira comunitária de velharias. A aquisição acabou por ir parar ao fundo de um armário e só mais de uma década depois foi aberta, apanhando todos de surpresa: no seu interior, estavam guardadas mais de 200 cartas de soldados datadas da Segunda Guerra Mundial.
 
De acordo com o jornal local Tulsa World, que avança a história, Gilliand abriu a caixa por acaso e, nesse momento, arrependeu-se de não o ter feito mais cedo. A mulher deparou-se com um enorme conjunto de cartas escritas à mão e amarelecidas pela idade, cujos destinatários eram “Mr. and Mrs. E.H. Harvill” e cujo carimbo era de… 1945.
 
“Não sabia o que fazer. Era óbvio que alguém as quereria”, contou àquela publicação, acrescentando que, perante a descoberta, decidiu entrar em contacto com um perito, Doug Eaton, autor do livro “Letters from Walker”, que narra a história de um jovem soldado sob a sua própria perspetiva a partir das cartas que escreveu.
 
A imprensa norte-americana explica que as cartas descobertas por Gilliland foram escritas por dois soldados irmãos, Eural e Robert Harvill, e enviadas aos seus pais entre Outubro de 1940 e Outubro de 1964, sendo a saudade de casa o principal tema. 
 
Segundo Eaton, a coleção encontrada dentro da caixa de chapéus engloba cerca de 250 cartas, além de postais, cartões de Natal, fotografias e até uma apólice de seguro. Porém, as idades dos dois autores da carta permanecem um mistério e há pouca informação sobre o contexto em que foram escritas e as pessoas que eram.
 
“Surpreendentemente, todas as cartas foram enviadas a partir de bases militares dentro dos EUA. Por isso, não sabemos quando ou onde serviram fora do país – se é que o fizeram”, revelou o especialista ao Tulsa World. 
 
Para já, Eaton continua a ter por abrir (e por ler) mais de 200 cartas, pelo que ainda há muitas informações por analisar. De qualquer das formas, o perito espera conseguir contactar alguém que o possa ajudar a saber mais sobre o passado dos dois soldados. 
 
“Se tudo correr bem havemos de encontrar um membro da família que queira ficar com estas cartas e guardá-las”, concluiu. 

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close