Cultura

EUA: Aquedutos de Portugal expostos em Boston

Até Abril de 2015, o público norte-americano vai poder conhecer de perto o património histórico português através da exposição 'Aquedutos de Portugal', em exibição no Waterworks Metropolitan Museum, em Boston.
Versão para impressão
Até Abril de 2015, o público norte-americano vai poder conhecer de perto o património histórico português através da exposição 'Aquedutos de Portugal', em exibição no Waterworks Metropolitan Museum, em Boston.
 
Trata-se de um levantamento fotográfico dos aquedutos nacionais, de norte a sul do país, levado a cabo por Pedro Inácio, e que tem por objetivo promover Portugal nos EUA. A iniciativa acontece no âmbito do 9º Festival Português de Boston, que conta com dezenas de eventos culturais, desportivos e religiosos durante os meses de Abril, Maio e Junho. 
 
Com a mostra 'Aquedutos de Portugal', o museu norte-americano pretende evidenciar um importante legado da história do abastecimento de água em Portugal, construído principalmente entre os séculos XVI e XIX. 
 
“Portugal tem uma tradição única de transporte de água durante distâncias consideráveis, para uso em agricultura e uso da comunidade, pelo menos desde a época dos romanos”, conta Dennis De Witt, diretor daquele espaço.

“Os 15 aquedutos aéreos, com vários arcos, que foram selecionados para esta exposição abasteceram fortes, cidades, universidades, mosteiros, palácios, jardins e fabricas”.
 

Nesse sentido, Pedro Inácio deu ao levantamento fotográfico deste património em 2011. “Tudo começou como um projeto que apresentei à EPAL e que foi publicado durante dois anos na revista da empresa”, explica o fotógrafo à Lusa.
 
O profissional diz ter realizado este trabalho por três motivos: “curiosidade pessoal, dever histórico e noção de serviço público”. Além disso, “Portugal é um dos países com mais aquedutos no mundo, em proporção com a sua dimensão”, tendo, inclusive, “algumas estruturas únicas a nível europeu”. 
 
Por isso, achou que era “oportuno fazer esta espécie de roteiro e chamar a atenção para um património esquecido muito importante”. O resultado foi, primeiro, exposto nas ruínas romanas de Milreu, no Algarve, seguindo depois pelo país até à sua última mostra, no Museu da Água, em Lisboa, e à publicação do livro, em 2011. 
 
Pedro Inácio é coordenador do Museu da Água da EPAL e vice-presidente da APOM – Associação Portuguesa de Museologia, tendo iniciado a sua atividade fotográfica em 1985. 

Notícia sugerida por Maria Manuela Mendes

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close