Saúde

EUA anunciam cura de primeiro bebé com HIV

Investigadores norte-americanos anunciaram, este domingo, a cura funcional do primeiro bebé nascido com HIV (vírus da imunodeficiência humana, VIH na sigla em português), uma vitória que poderá melhorar o tratamento das crianças infetadas.
Versão para impressão
Investigadores norte-americanos anunciaram, este domingo, a cura funcional do primeiro bebé nascido com HIV (vírus da imunodeficiência humana, VIH na sigla em português), uma vitória que poderá melhorar o tratamento e a qualidade de vida futura das crianças infetadas desde o nascimento.

O anúncio foi feito durante a 20ª Conferência Anual de Retrovírus e Infecções Oportunistas, que decorreu em Atlanta, nos EUA. 
 

Durante o evento, a equipa explicou que se trata de uma “cura funcional” e não de uma cura completa, porque o vírus não foi totalmente erradicado. Em vez disso, esclareceram os cientistas, a sua presença foi reduzida até níveis muito baixos, o que permite ao organismo controlá-lo sem a necessidade de fármacos.
 
Até ao momento, o único caso de eliminação total do vírus da SIDA é o do chamado “paciente de Berlim”, o norte-americano Timothy Brown que foi considerado curado de HIV e leucemia cinco anos depois de receber transplantes de medula de um dador com uma resistência natural e rara ao vírus, revela a AFP.
 
A bebé tratada pelos investigadores do Johns Hopkins Children's Center em Baltimore, porém, não foi submetida a quaisquer procedimentos do género, tendo-lhe apenas sido administrados medicamentos antirretrovirais comuns. A diferença em relação a casos anteriores foi a dosagem e o 'timing' desta administração, que começou menos de 30 horas após o nascimento.
 
“A terapia que começa pouco tempo após o parto pode ajudar as crianças a eliminar o vírus e a conseguir uma remissão a longo-prazo sem necessidade de tratamento durante toda a vida, prevenindo a formação dos reservatórios virais [que são difíceis de eliminar e 'relançam' a infeção no organismo depois de o tratamento ser interrompido]”, apontou Deborah Persaud, coordenadora da investigação, citada pela AFP.

Terapia precoce terá sido determinante
 

Segundo Persaud, esta é a primeira vez a nível mundial que os cientistas conseguem algo semelhante num bebé. Normalmente, o protocolo seguido pelos médicos com bebés com alto risco de infeção é a administração de pequenas doses de antirretrovirais até que sejam conhecidos os resultados dos testes sanguíneos às seis semanas de idade.
 
No caso da menina agora submetida à terapia, que tinha sido infetada pela mãe seropositiva, o tratamento começou ainda antes de os resultados dos testes terem sido revelados, o que terá sido determinante.
 
Os testes efetuados revelaram que os níveis da presença do vírus no sangue da bebé diminuíram significativamente com o tratamento precoce, até deixarem de ser detetados 29 dias após o nascimento. A criança foi, depois, tratada com antirretrovirais até aos dois anos e meio e a terapia foi interrompida durante os 10 meses seguintes.
 
Após este período, os investigadores voltaram a fazer exames sanguíneos à menina e constataram que nenhum deu resultados positivos para o vírus da SIDA.
 
Para os cientistas e especialistas em HIV, este caso é um sinal de esperança, já que prova que uma terapia antirretroviral precoce em recém-nascidos pode fazer com que, a longo-prazo, o sistema imunitário dos pacientes consiga controlar o vírus e mantê-lo em níveis clinicamente indetetáveis.
 
“O nosso próximo passo é descobrir se esta é somente uma resposta muito rara a uma terapia precoce com antirretrovirais ou se de facto é possível replicar este sucesso noutros recém-nascidos em risco”, concluiu Persaud, cuja investigação foi financiada pelos National Institutes of Health e a American Foundation for AIDS Research. 

[Notícia sugerida por Raquel Baêta, Patrícia Guedes, Elsa Martins, Ana Oliveira, David Ferreira e Diana Rodrigues]

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close