Ciência

EUA abandonam experiências com chimpanzés

Os Institutos Nacionais de Saúde dos EUA informaram que vão pôr fim à utilização de chimpanzes em investigações biomédicas e admitiram que o uso destes animais "não é necessário" na maioria dos casos.
Versão para impressão
Os Institutos Nacionais de Saúde dos EUA (National Health Institutes – NIH, em inglês) informaram que vão pôr fim à utilização de chimpanzes em investigações biomédicas e admitiram que o uso destes animais “não é necessário” na maioria dos casos.  A comunidade científica satisfaz, assim as recomendações do Instituto de Medicina (IOM) daquele país, que surgiram na sequência dos protestos de grupos ambientalistas.
 
De acordo com a agência France Presse, a decisão foi anunciada através de um comunicado publicado na página dos NIH, agências de investigação médica do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos.
 
“Os NIH informam a comunidade científica de que acatam as redomendações do IOM e, como consequência, não vão financiar nenhum novo projeto de investigação que utilize chimpanzés”, pode ler-se no comunicado.
 
Além disso, os institutos comprometeram-se também, na mesma nota, a rever todas as investigações em curso que estejam a utilizar chimpanzés para fins científicos, embora estas constituam uma minoria: dos 94.000 projetos financiados pelos NIH em 2011, apenas 53 recorreram aos primatas. 
 
Depois de vários grupos de ambientalistas terem protestado contra a transferência, em 2010, de 14 chimpanzés idosos para um laboratório no Texas, os NIH acabaram por aceitar atender à opinião dos especialistas consultados pelo Instituto de Medicina sobre a utilidade das investigações com macacos.
 
“Se, no passado, os chimpanzés foram muito úteis na investigação médica, a sua utilização, em laboratório, hoje em dia, já não é necessária na maioria dos casos”, admitiram. 
 
No entanto, os especialistas realçaram que, em certos domínios, a utilização de chimpanzés ainda poderá ser necessária, nomeadamente na comparação do genoma destes macacos com o dos humanos ou no estudo de doenças infecciosas emergentes. 
 
Os EUA são, atualmente, o único país desenvolvido que utiliza chimpanzés em investigações científicas, em particular nos estudos relacionados com a hepatite C, a SIDA e a Malária. A União Europeia proibiu formalmente a utilização de macacos em laboratórios em 2010, uma medida que também já tinha sido tomada, por exemplo, no Japão e na Austrália.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close