Saúde

Estudo: Quatro ingredientes para uma vida mais longa

Uma dieta equilibrada, exercício físico, ferramentas de gestão do stress e uma boa rede social. Estes são os quatro ingredientes para atrasar o envelhecimento.
Versão para impressão
Uma dieta equilibrada, exercício físico, ferramentas de gestão do stress e uma boa rede social. Estes são os quatro ingredientes para atrasar o envelhecimento das células e tornar o organismo mais resistente a doenças, segundo uma nova investigação conduzida pela Universidade da Califórnia.
 
O estudo, publicado esta semana na prestigiada revista Lancet Oncology, foi conduzido por investigadores da Universidade da Califórnia em parceria com o Instituto de Medicina Preventiva, uma entidade sem fins lucrativos que investiga a relação do estilo de vida com o envelhecimento e o surgimento de doenças. 
 
Image and video hosting by TinyPic


“Os nossos genes e os nossos telómeros (parte dos cromossomas relacionada com o envelhecimento celular) não determinam, necessariamente, o nosso destino”, garante o autor principal do estudo, Dean Ornish, professor da Universidade da Califórnia e fundador do Instituto de Medicina Preventiva. 
 
Os telómeros são uma espécie de capa protetora que se encontra no fim dos cromossomas e que afeta o envelhecimento das células. Os telómeros são compostos de proteína e ADN e protegem os cromossomas para que permaneçam estáveis. À medida que telómeros ficam mais pequenos e que a sua estrutura enfraquece, as células envelhecem e morrem mais facilmente.
 
Durante cinco anos os investigadores seguiram 35 homens com cancro da próstata em fase inicial para explorar a relação entre o seu estilo de vida e o tamanho e atividade dos telómeros. 
 
Dez dos pacientes aderiram a um programa que implicava mudanças no estilo de vida: uma dieta rica em fruta, vegetais e grãos integrais e baixa em gordura e hidratos de carbono refinados (massa, pão, entre outros); uma caminhada de 30 minutos seis dias por semana; ferramentas de gestão de stress (yoga, exercícios de respiração, meditação). Estes pacientes também participaram, semanalmente, num grupo de apoio. 

Telómeros 10% maiores
 
Durante toda a investigação os dados dos participantes foram monitorizados com ressonâncias e biopsias. Ao fim de cinco anos, os investigadores compararam os dados de todos os participantes.

O grupo que tinha aderido ao estilo de vida mais saudável tinha registado um aumento de cerca de 10 por cento do tamanho dos telómeros. Aliás, quanto mais saudável o programa seguido, maior se revelou o tamanho dos telómeros. Em contraste, o grupo de controlo, que não aderiu a um estilo de vida mais saudável, tinha um tamanho de telómeros cerca de 3% mais pequeno. 

 
Embora se tenham concentrado em pacientes com cancro da próstata, os investigadores acreditam que estes resultados podem ser ampliados a população em geral já que foram medidos os “telómeros do sangue dos participantes e não os telómeros do tecido da próstata”, diz Dean Ornish em comunicado.
 
“Este estudo é um grande avanço que merece ser confirmado através de uma investigação mais ampla”, diz o coautor do estudo Peter R. Carroll, professor e diretor do departamento de Urologia da Universidade da Califórnia. “A redução do tamanho dos telómeros aumenta o risco de uma série de doenças e diminiu a esperança de vida”, conclui o especialista.

Clique AQUI para consultar o comunicado da Universidade da Califórnia (em inglês).

Notícia sugerida por Patrícia Guedes

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close