Saúde

Estudo: Mentir menos é benéfico para a saúde

Diminuir a quantidade de mentiras ditas no dia-a-dia pode ter efeitos positivos tanto na saúde física como na saúde mental, revela um estudo levado a cabo pela University of Notre Dame, nos Estados Unidos.
Versão para impressão
Diminuir a quantidade de mentiras ditas no dia-a-dia pode ter efeitos positivos tanto na saúde física como na saúde mental, revela um estudo levado a cabo pela University of Notre Dame, nos Estados Unidos.

Um grupo de investigadores oriundos das áreas de psicologia e estatística, liderados pela psicóloga Anita Kelly, desenvolveu, ao longo de dez semanas, um estudo que pretendia identificar os efeitos da redução de mentiras na saúde.

De acordo com o comunicado divulgado, no passado sábado, pela University of Notre Dame, os resultados apontam para uma melhoria significativa, quer mental, quer física, em quem passou a mentir menos ao longo do período de experiências.

Os testes de honestidade incluíram um conjunto de 110 pessoas, maioria das quais estudantes universitários, com idades compreendidas entre os 18 e os 71 anos. As pessoas foram divididas em dois grupos, sendo que a um deles foram dadas instruções no sentido de pararem de dizer qualquer tipo de mentira durante aquelas dez semanas. À outra metade não recebeu qualquer indicação, pelo que manteve o comportamento habitual.

Ao longo do período de experiências, os participantes submetiam-se, semanalmente, a exames de saúde e análises de satisfação nas relações interpessoais, sendo também analisados pelo teste do polígrafo. O objetivo deste último era o de a apurar quantas mentiras as pessoas tinham dito durante aqueles sete dias.

Após as dez semanas, as conclusões revelaram que a quantidade de mentiras que um indivíduo diz tem relação direta com o seu estado de saúde. Como exemplo, os investigadores revelaram que uma pessoa que contasse, em média, menos três mentiras relativamente à semana anterior, apresentava menos quatro queixas relacionadas com a saúde mental (nomeadamente sentir-se tenso ou deprimido) e menos três queixas ligadas a problemas físicos (como dores de cabeça ou de garganta).

O estudo revelou, ainda, resultados positivos nas relações interpessoais dos participantes que reduziram o número de mentiras. Esta diminuição conduziu a melhorias nas relações e nas interações sociais o que, segundo os investigadores, contribui também para progressos na saúde física.

O estudo foi apresentado recentemente na 120ª convenção anual da American Psychological Association sob o nome “Science of Honesty. O financiamento da investigação foi disponibilizado pela John Templeton Foundation.

Clique AQUI para aceder ao comunicado da universidade (em inglês).

[Notícia sugerida por Patrícia Guedes e Alexandra Maciel]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close