Saúde

Estudo: Meditação pode ser aliada contra a solidão

O sentimento de solidão, muitas vezes associado a problemas de saúde, pode vir a ser superado com a prática de meditação. As conclusões resultam de um estudo realizado por cientistas da Carnegie Mellon University, nos Estados Unidos.
Versão para impressão
O sentimento de solidão, muitas vezes associado a problemas de saúde, pode vir a ser superado com a prática de meditação. As conclusões resultam de um estudo realizado por cientistas da Carnegie Mellon University, nos Estados Unidos.

Perante a ineficácia de ações como criação de centros comunitários para se combater a solidão da população mais velha, uma equipa de investigadores liderados por J. David Creswell desenvolveu um estudo a partir do qual concluiu que a meditação pode ser um valioso aliado na redução deste sentimento. A nova descoberta pode vir a evoluir para um método de combate ao problema.

A meditação, prática caracterizada por um estado de foco no momento presente, tem já 2.500 anos de existência, sendo originária da cultura budista. Para o estudo em causa, a equipa de cientistas recrutou 40 adultos entre os 55 e os 85 anos, para a prática de meditação, durante oito semanas. Ao longo deste período foi medido o nível de solidão, através de uma escala, e recolhidas amostras de sangue, de todas as pessoas, no início e no fim de cada sessão.

Os participantes foram submetidos a um programa de meditação que incluía encontros semanais de duas horas e atividades diárias, em casa, com a duração de 30 minutos. Após este período, os investigadores concluíram que o programa reduziu significativamente os níveis de solidão dos participantes.

Através das recolhas de sangue feitas durante as semanas da experiência, a equipa detetou, também, uma importante redução dos genes propensos ao desenvolvimento de inflamações no sistema imunitário. Estes dados indicam que a prática de meditação diminui o risco de inflamações nos adultos mais velhos, fator importante, uma vez que este problema “pode contribuir para vários problemas de saúde, incluindo o cancro, as doenças cardiovasculares e as neuro degenerativas”, explicou Steven Cole, um dos envolvidos no estudo.

O autor Creswell salientou que os resultados do estudo podem evoluir para uma nova abordagem aos tratamentos da solidão e das doenças inflamatórias, embora sejam necessárias novas investigações. Perante o cada vez mais elevado número de pessoas que sofrem de solidão, o estudo sugere que exercitar a mente é tão importante como exercitar o corpo.

Clique AQUI para aceder ao estudo (em inglês).

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close