Saúde

Estudo: Dar de mamar pode reduzir risco de cancro

As mulheres que dão de mamar aos seus filhos podem estar a reduzir em cerca de 10% o risco de virem a sofrer de cancro. A conclusão é de um amplo estudo conduzido a nível europeu.
Versão para impressão
As mulheres que dão de mamar aos seus filhos podem estar a reduzir em cerca de 10% o risco de virem a sofrer de cancro. A conclusão é de um amplo estudo conduzido a nível europeu, que descobriu também que aqueles que seguem os conselhos 'oficiais' para uma vida saudável com vista à prevenção do cancro conseguem cortar em cerca de um terço a probabilidade de morrer de diversas doenças.
 
A investigação desenvolvida por especialistas do Imperial College London, em Inglaterra, mostrou que as mães que, como é recomendado pelo World Cancer Research Fund (WCRF), dão de mamar aos bebés durante, pelo menos, seis meses, diminuem em 10% as hipóteses de desenvolver cancro, reduzindo também em 17% a probabilidade de morte em consequência de problemas circulatórios.
 
O estudo foi, no entanto, mais longe, tendo examinado os estilos de vida de cerca de 380.000 pessoas de nove países europeus e observado se estas seguiam recomendações como limitar a ingestão de álcool, manter a forma e consumir muita fruta e vegetais, conselhos dados pela WCRF contra o cancro.
 
Segundo o The Telegraph, a investigação, publicada no American Journal of Clinical Nutrition, revelou que o menor consumo de bebidas alcoólicas mostrou ser o fator mais importante na redução das probabilidades de vir a ter cancro, cortando este risco em 21%.
 
Por outro lado, dicas como a prática de atividade física com vista a manter a forma (sem nunca ficar abaixo do peso recomendável) ou a integração de muitos vegetais e frutas na dieta reduziram este risco em 22% e 21%, respetivamente. 
 
Os investigadores constataram também que aqueles que seguiam mais de perto estes conselhos reduziram em 50% a probabilidade de morrer de doenças respiratórias, em 44% a hipótese de padecer de doenças circulatórias e, em termos gerais, em 20% os riscos de desenvolver cancro, quando comparados com os que não o faziam.

Prevenção é preciosa no cancro e noutras doenças
 

Teresa Norat, coordenadora da investigação, salientou que este é o primeiro estudo de sempre a declarar a existência de uma forte associação entre as recomendações globais da WCRF e um menor risco de morte prematura. 
 
Além disso, é inédito no que toca à avaliação do papel da amamentação na diminuição das hipóteses de morte prematura causada por determinadas doenças quando esta prática é combinada com outras mudanças no estilo de vida.
 
Perante os resultados obtidos, Panagiota Mitrou, do departamento de Ciência da WCRF, destacou, citado pelo The Telegraph, que “este estudo demonstra verdadeiramente o valor do seguimento das recomendações na prevenção de mortes causadas por diversas doenças e não apenas pelo cancro”.

Clique AQUI para aceder ao resumo do estudo (em inglês).

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close