Saúde

Estudo comprova benefícios de comer chocolate

Investigadores da Faculdade de Medicina e da Faculdade de Ciências do Desporto da Universidade de Granada (UG), Espanha, "desmistificaram a crença" de que o chocolate engorda. No estudo foram analisados cerca de 1.500 jovens europeus, entre os 12 e o
Versão para impressão
Investigadores da Faculdade de Medicina e da Faculdade de Ciências do Desporto da Universidade de Granada (UG), Espanha, “desmistificaram a crença” de que o chocolate engorda. No estudo foram analisados cerca de 1.500 jovens europeus, entre os 12 e os 17 anos.
 
“Os resultados demonstram que o consumo de chocolate está associado a níveis mais baixos de massa corporal e gordura abdominal, independentemente da prática de exercício físico e da dieta seguida pelos sujeitos”, revela um comunicado oficial da universidade.

A investigação teve em conta parâmetros como o Índice de Massa Corporal (IMC), a percentagem de gordural corporal e o perímetro da cintura. Magdalena Cuenca García, principal autora do artigo, citada no comunicado, explica que, apesar do chocolate ser muito rico em energia (por ser rico em açúcares e gorduras saturadas), o seu consumo moderado tem vários benefícios. 


Equipa de investigadores concluiu que o chocolate tem múltiplos benefícios se ingerido em quantidades moderadas © Universidade de Granada

“Na verdade, o chocolate é um alimento rico em flavonoides (componentes presentes também em frutas e vegetais), tendo um grande efeito antioxidante, antitrombótico, antiinflamatório, antihipertensivo e pode ainda ajudar a prevenir doenças cardiacas coronárias”, realça a cientista.

Segundo os autores do artigo, publicado esta semana na revista Nutrition, o impacto biológico dos alimentos não deve ser avaliado apenas em termos do teor calórico, mas também tendo em conta os seus componentes e fatores de risco. 

Apesar dos benefícios evidentes resultantes da ingestão deste alimento, os cientistas alertam para um consumo “moderado”. “Com moderação, o chocolate pode ser bom, como demonstrámos, mas o consumo excessivo é, sem dúvida prejudicial. Como se costuma dizer, muito de uma coisa boa deixa de ser bom”, concluem.

Clique AQUI para aceder ao resumo do estudo (em inglês).

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close