Cultura

Estreia do documentário “Titanic: mistério resolvido”

No próximo dia 15 de Abril são assinalados os 100 anos do desastre do Titanic e o canal HISTÓRIA vai marcar a data com uma programação que terá como ponto culminante a estreia do documentário "Titanic: mistério resolvido".
Versão para impressão
No próximo dia 15 de Abril são assinalados os 100 anos do desastre do Titanic e o canal HISTÓRIA vai marcar a data com uma programação especial que terá como ponto culminante a estreia do documentário “Titanic: mistério resolvido”, um grande trabalho exclusivo de duas horas de duração que vai ser emitido simultaneamente em todo o mundo.

O trabalho foi possível graças à colaboração de numerosos cientistas e empresas especializadas em investigação subaquática e a utilização de tecnologias complexas. O documentário reúne as descobertas e conclusões da última expedição realizada ao local e contribui com importantes novidades sobre o acidente, que até agora não foram divulgadas. 


Entre os resultados da expedição figuram a elaboração –pela primeira vez—, de um mapa completo e muito preciso da zona do naufrágio, construído graças a mais de 100.000 fotografias realizadas por robots submarinos autónomos, bem como a localização de numerosas peças do navio que não tinham sido descobertas até ao momento, entre elas cinco enormes caldeiras, uma porta giratória e uma escotilha. 
 
Nos vinte cinco anos que passaram desde a localização do local do naufrágio, ninguém tinha explorado a zona na totalidade e, por isso, ninguém possuía as chaves para saber o que aconteceu naquela fatídica noite.

Quase metade da área do naufrágio continuava escondida e desconhecida e uma parte significativa do navio, que podia revelar a forma como se partiu, estava desaparecida.

Agora, depois de 100 anos, cada centímetro do local é conhecido e cada peça do navio está documentada exatamente no sítio onde caiu no fundo do oceano há um século.

 
Em “Titanic: mistério resolvido” vão ser esclarecidas questões chave sobre o barco, entre elas se é verdade que tinha um defeito fatal de fabrico e quem seria o responsável.

Além disso, e graças à utilização de um hangar virtual e à aplicação de técnicas semelhantes às usadas em vaivéns espaciais e na investigação de acidentes de aviação, vai ser feita uma reconstrução completa do acidente do Titanic que, segundo os indícios, se precipitou para o fundo rodando como as hélices de um helicóptero. 

Comentários

comentários

Etiquetas

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close