Cultura

“Estômago”: a gula é o melhor tempero

Raimundo é apenas dono de duas coisas: a mala de viagem que quase nada carrega e a vontade de construir uma vida melhor na grande cidade. Acreditamos na sua inocência e na sua ingenuidade, típicas de muitos brasileiros que procuram uma nova vida fora
Versão para impressão
Raimundo é apenas dono de duas coisas: a mala de viagem que quase nada carrega e a vontade de construir uma vida melhor na grande cidade. Acreditamos na sua inocência e na sua ingenuidade, típicas de muitos brasileiros que procuram uma nova vida fora do interior do país. Mas a história que nos conta “Estômago”, do realizador Marcos Jorge, é outra. Uma “fábula nada infantil sobre poder, sexo e gastronomia” estreia em Portugal a 13 de maio.

Já na grande cidade, Raimundo (interpretado pelo ator João Miguel) entra na mal frequentada tasca de Zulmiro (Zeca Cenovicz), que lhe oferece emprego na cozinha e um pequeno recanto onde pernoitar. O dom natural de Raimundo para a gastronomia transforma rapidamente o local num sucesso, chamando à atenção de Giovanni (Carlo Briani), dono de um distinto restaurante italiano.

Ascenção e queda, é este o fio condutor do filme. Por um lado, o sucesso de Raimundo na cozinha, a relação com a prostituta e sempre faminta Íria (a estreante Fabíula Nascimento), a proteção de Giovanni. Por outro, a vida na prisão. O que levou Nonato à prisão e quando? É essa a intriga que nos abre o apetite.

Image and video hosting by TinyPic

“A sociedade brasileira pode muito bem ser descrita como um moedor de gente, especialmente da gente simples, da gente pobre”, explica o realizador brasileiro Marcos Jorge. “Estômago” é assim a história de Raimundo Nonato, o típico “zé ninguém” por quem nada daríamos, mas que acaba por encontrar o seu lugar. Num mundo onde uns devoram e outros são devorados, Raimundo Nonato cozinha.

“Estômago”, uma co-produção brasileiro-italiana, retrata a comida como elemento de poder nas relações interpessoais e é também um filme de expiação de pecados: não só a gula, mas também a avareza, a inveja e a ira.

37 prémios nacionais e internacionais

A estreia de Marcos Jorge na realização de uma longa-metragem não podia ter sido melhor: depois de dirigir filmes publicitários e das instalações-vídeo que montou, o brasileiro traz-nos um retrato cru e surpreendente de uma história que podia ser verídica, já premiado com 37 distinções nacionais e internacionais. “Estômago” fez também parte da seleção oficial do Festival de Berlim.

Uma nota de destaque à banda sonora, composta pelo italiano Giovanni Venosta, já premiado por outros trabalhos em vários filmes italianos: “Pão e Tulipas” (2000), “Queimando ao vento” (2002) e “Ágata e a tempestade” (2004).

A única crítica negativa que há a fazer: “Estômago” tardou em chegar às salas de cinema nacionais. Três anos depois da sua estreia no Brasil, é pela mão da distribuidora independente Alambique que o público português toma contacto com o filme. Felizmente. Como diz o ditado, “mais vale tarde do que nunca”.

Débora Cambé

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close