Saúde

Espécie de “pacemaker” contra a disfunção urinária

O Hospital de Santa Maria, em Lisboa, realizou, esta segunda-feira, em duas doentes, uma intervenção inovadora para o tratamento da disfunção urinária.
Versão para impressão
O Hospital de Santa Maria, em Lisboa, realizou, esta segunda-feira, em duas doentes, uma intervenção inovadora para o tratamento da disfunção urinária, que consiste na colocação de uma espécie de “pacemaker” nas raízes nervosas da bexiga através da pele.
 
Trata-se de uma intervenção “de última linha”, ou seja, a ser aplicada “apenas quando as outras falham” sendo especialmente útil em casos de incontinência urinária grave ou para pessoas com problemas que diminuam em muito a sua qualidade de vida. 
 
Este era o caso das duas pacientes intervencionadas, uma com menos de 40 anos e outra com pouco mais do que essa idade, que sofriam de uma condição denominada hipocontratilidade da bexiga, que exige a colocação de um cateter para urinar.
 
Ambas foram, portanto, submetidas à colocação de um aparelho – uma espécie de “pacemaker” – nas raízes nervosas da bexiga, aguardando-se a verificação dos efeitos do procedimento durante as próximas semanas. 
 
“Este dispositivo médico é implantado cirurgicamente sob a pele através de um procedimento minimamente invasivo, estimulando os nervos da zona sacral através de leves impulsos eléctricos”, explica José Palma Reis, médico urologista e chefe do Serviço de Urologia do Hospital de Santa Maria – Centro Hospitalar Lisboa Norte, em comunicado enviado ao Boas Notícias.
 
“Se a avaliação desta fase for positiva, o paciente é submetido à segunda etapa do tratamento, em que um estimulador interno é implantado na parte posterior do quadril, no espaço subcutâneo. O paciente pode ter alta no mesmo dia do implante”, acrescenta o especialista.
 
Tomé Lopes, diretor do serviço de Urologia daquele hospital, mostra-se satisfeito com as intervenções. “Para o hospital é um grande passo no tratamento da incontinência urinária para os casos em que a opção terapêutica oral já não produz efeitos”, considera.

[Notícia sugerida por Sofia Baptista e Vítor Fernandes]

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close