Inovação e Tecnologia

Especialista incentiva empreendedorismo português

NULL
Versão para impressão
Apesar do resgate financeiro e de alguma “ingenuidade empresarial”, Portugal tem possibilidade de vir a “influenciar ambos os lados do Atlântico”, sobretudo se continuar a apostar na educação e na tecnologia e alterar a sua noção de empreendedorismo. Esta é a opinião de Barbara Carryer, uma professora da Universidade Carnegie Mellon (EUA) que integra o programa University Technology Enterprise Network, promovido em Portugal pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT).

“A maior parte das pessoas não junta 'Portugal' e 'empreendedorismo' na mesma frase. Mas a maior parte dos norte-americanos também não sabe muito sobre Portugal: a maioria nunca visitou o país”. É assim que Barbara Carryer começa o artigo publicado, esta semana, no seu blog New Venturism sobre os desafios e mais-valias de Portugal em termos de empreendedorismo científico e empresarial.

Numa caixa do artigo, a professora da Carnegie destaca empresas com prestígio (e lucros) no mercado internacional como a Critical software, a Ydreams e a EDP Renováveis. Barbara acrescenta ainda que, nos próximos dias, vai escrever sobre outras empresas portuguesas inovadoras: a Dognaedis, a Bundlr, e a TreatU.

Depois de traçar um perfil – um pouco superficial e deturpado – da economia e da malha social do país, a especialista aponta os principais desafios que, na sua opinião, os empreendedores portugueses têm de ultrapassar para conquistar o mercado mundial.

A excessiva dependência de subsídios, a pesada política fiscal, a pouca capacidade para vender ideias e uma certa ingenuidade em termos do mercado e da competição são alguns dos desafios apontados por Barbara. A especialista avisa, sobretudo, que em termos de vendas de ideia, Portugal preocupa-se mais em explicar “o quê” do que o “porquê”, quando deveria ser ao contrário.

No entando, a professora afirma que, tal como a maior parte dos países europeus, Portugal percebeu que “o empreendedorismo é o caminho certo para sair da confusão económica em que se encontra”. Babs acrescenta que, tal como “dominou os mares e lançou as bases da navegação moderna, Portugal está agora a encarar o empreendedorismo como a mais recente e a mais potente ferramenta para navegar além da recessão”. 

A professora elogia largamente a aposta do país na inovação e na tecnologia. “A maneira como apostam na ciência e tecnologia desde o liceu é impressionante”, sublinha. E acrescenta que uma nova atitude em termos de empreendedorismo – tal como a que está a ser promovida no programa da FCT – poderá dar ao país o protagonismo merecido, nos dois lados do atlântico.

“Portugal é, afinal, a costa ocidental da Europa. Será altura de lhe prestarmos atenção?”, conclui Barbara Carryer.

Clique AQUI para aceder ao artigo original.

[Notícia sugerida por Ana Tavares]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close