Sociedade

Escolas portuguesas ensinam mandarim às crianças

Todas as escolas do 1.º ciclo de S. João da Madeira vão passar a oferecer às crianças aulas de Mandarim. O idioma dominante na China vai ser introduzido no currículo escolar local com o objetivo de antecipar futuros contactos comerciais.
Versão para impressão
Todas as escolas do 1.º ciclo de S. João da Madeira vão passar a oferecer às crianças aulas de Mandarim. O idioma dominante na China vai ser introduzido no currículo escolar local com o objetivo de antecipar futuros contactos comerciais com “o maior mercado da Humanidade”.
 
A introdução nas escolas locais desta língua foi aprovada esta terça-feira durante uma reunião camarária e terá início a partir de 2013, quando todos os alunos do 3.º ano de escolaridade passarão a frequentar uma aula de iniciação ao Mandarim, que terá continuidade no 4.º ano no arranque, em Setembro, do próximo ano letivo.
 
Além disso, o executivo local vai ainda enviar ao Ministério da Educação um pedido para que numa das escolas da cidade possam funcionar turmas bilingues de Português/Mandarim, com ensino contínuo desde o 1.º ao 12.º ano.
 
De acordo com o presidente da câmara de S. João da Madeira, Castro Almeida, esta é uma resolução “de grande alcance para o futuro”, porque adequa o ensino local à evidente emergência da China. “Para uma terra com tantas empresas exportadoras como S. João da Madeira, as relações com a China nas próximas décadas serão absolutamente vitais”, salienta, citado pela agência Lusa.
 
O autarca defende que “saber falar a língua dos empresários chineses será um factor competitivo muito importante para se vender para aquele que já é o maior mercado da humanidade – e que continuará a crescer no futuro”, garantindo que as empresas locais vão beneficiar desta aposta que, dentro de 12 a 12 anos, lhes permitirá ter na cidade “200 a 300 pessoas” a falar Mandarim com fluência.
 
Segundo Castro Almeida, “isso conferirá um potencial imenso” às empresas de S. João da Madeira “e o tempo irá provar a importância” do programa que está agora a ser lançado. 
 
Universidade de Aveiro coordenará aulas de Mandarim
 
A coordenação científica e pedagógica do ensino de Mandarim na rede escolar pública da cidade vai estar a cargo da Universidade de Aveiro, por meio do seu departamento de Línguas e Culturas.
 
O autarca adianta que, nos 3.º e 4.º anos, a instituição universitária vai “fornecer todos os professores, maioritariamente nativos”. A partir do 5.º, e enquanto não se concretizar o projeto pendente da aprovação do Governo, o Mandarim estará disponível apenas no Instituto de Línguas da cidade e os alunos que desejem prosseguir os seus estudos terão uma comparticipação de custos feita oferecida pelo município. 
 
Caso o Ministério da Educação autorize a criação de “turmas bilíngues” numa das escolas da cidade, o modelo pedagógico a seguir será “o dos melhores colégios privados em Portugal com ensino em duas línguas, como o Colégio Alemão, o Liceu Francês ou a St. Julian's School”, garante.
 
Castro Almeida assegura ainda que a câmara estará “disponível para assumir todos os sobrecustos que possam advir do ensino bilíngue”, mas diz acreditar que o Governo reconhecerá o “interesse do projeto”, assumindo, como tal, parte da despesa.
 

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close