Ambiente

Escolas de Setúbal ajudam a recolher óleos usados

Sensibilizar as escolas para a recolha de óleos alimentares usados é o objectivo de uma campanha promovida pela Agência de Energia e Ambiente da Arrábida (ENA) que foi apresentada, esta quinta-feira, à comunidade educativa de Setúbal. [Lusa.]
Versão para impressão
Sensibilizar as escolas para a recolha de óleos alimentares usados é o objectivo de uma campanha promovida pela Agência de Energia e Ambiente da Arrábida (ENA) que foi apresentada, esta quinta-feira, à comunidade educativa de Setúbal.

“O nosso objectivo com a campanha “Rota dos Óleos Alimentares Usados” é sensibilizar os alunos para a necessidade de aumentarmos a quantidade recolhida nos concelhos de Palmela, Sesimbra e Setúbal, que em 2009 já atingiu os 5000 litros”, disse o presidente da ENA, José Manuel Charneira.

Os óleos alimentares usados podem ser misturados com alguns combustíveis em determinadas quantidades, permitindo uma redução de custos importante e uma poupança significativa na diminuição de emissões de dióxido de carbono para a atmosfera. Mil litros de óleos alimentares usados
permitem produzir entre 920 a 980 litros de biodiesel, segundo a Agência Portuguesa do Ambiente.

Segundo José Manuel Charneira, os 5000 litros de óleos usados que foram recolhidos pela ENA, em 2009, representam o equivalente a redução de 6953 quilos de emissões de dióxido de carbono.

A campanha de sensibilização para a recolha de óleos alimentares usados envolve professores e alunos das escolas básicas dos três concelhos, eleitos e técnicos das câmaras municipais, e será acompanhada por representantes do Ministério do Ambiente e Ministério da Educação. O objectivo é que os alunos sensibilizem os pais para a necessidade de depositarem os óleos alimentares usados nos pontos de recolha que estão a ser progressivamente instalados nos três concelhos.

Todos os anos as cozinhas portuguesas deitam fora entre 43 mil e 65 mil toneladas de óleos alimentares usados. A maioria vem do sector doméstico (62 por cento) e da hotelaria e restauração e bebidas (37 por cento).

Segundo a Agência Portuguesa do Ambiente, um litro de óleo doméstico deitado no ralo da banca da cozinha chega a contaminar de uma só vez um milhão de litros de água, o suficiente para a sobrevivência de uma pessoa, até aos 40 anos.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close