Sociedade

Escola cria biblioteca pioneira para alunos daltónicos

Nasceu, na EB1 n.º2 de Mem Martins, em Sintra, a primeira "biblioteca inclusiva" do mundo, que recorre a um sistema de identificação de cores que proporciona autonomia aos alunos daltónicos no acesso aos livros.
Versão para impressão
Nasceu, na EB1 n.º2 de Mem Martins, em Sintra, a primeira “biblioteca inclusiva” do mundo, que recorre a um sistema de identificação de cores que proporciona autonomia aos alunos daltónicos no acesso aos livros.
 
Nesta biblioteca, batizada “Terra do Faz-de-Conta”, os livros estão organizados de forma a cada tema corresponder a uma cor. “Não conseguindo os daltónicos reduzir as cores, esses alunos viam reduzida a sua autonomia, precisando de ajuda para encontrar os livros que procuravam”, explicou à Lusa o mentor do projeto, Sílvio Maltez.
 
Esta dificuldade levou o professor bibliotecário, natural da Nazaré e responsável há seis anos pela biblioteca escolar, a adotar o sistema ColorADD, criado pelo designer português Miguel Neiva e que permite identificar a cor através de um código gráfico, replicando o conceito a partir das cores primárias e nos tons branco e preto.
 
Após um trabalho intensivo que durou duas semanas, as prateleiras e livros da biblioteca passaram a contar com “uma etiqueta com um símbolo correspondente a cada cor”, através da qual “os alunos daltónicos autonomamente encontram aquilo que procuram como qualquer outro aluno”, acrescentou Sílvio Maltez.
 
Segundo o docente, um processo tão simples como a colocação destes símbolos gráficos “permitirá a possíveis alunos daltónicos uma mais fácil integração social na biblioteca escolar” e “a minimização do sentimento de perda gerada pela deficiência, com o consequente aumento de bem-estar e autoconfiança”.
 
O exemplo desta biblioteca, que dispõe de centenas de recursos em diferentes tipos de suporte, desde livros a CD-ROM, CD-Áudio, DVD e vídeos, já suscitou o interesse de “duas outras escolas do concelho, que solicitaram a disponibilização dos símbolos para aplicarem nas suas próprias escolas”, revelou o professor.
 
O sistema ColorADD, que já estava a ser usado em instituições como o Metro do Porto ou a Fundação Champalimaud, foi também aplicado pela Viarco em coleções de lápis de cor que possuem os respetivos símbolos e algumas “marcas de vestuário estão igualmente a usar símbolos nas etiquetas, facilitando aos daltónicos escolher sem ajuda as suas combinações de roupa”, concluiu Sílvio Maltez.

[Notícia sugerida por Raquel Baêta]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close